Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 2 de março de 2018.

Prescrição farmacêutica alivia pressão sobre médicos de família

COMPARTILHE:

A prescrição de medicamentos por farmacêuticos pode proporcionar importantes benefícios para as equipas dos cuidados de saúde primários, de acordo com um relatório produzido pela Universidade de Nottingham, no Reino Unido, que analisou o projeto GP Pharmacy Transformation, financiado pelo NHS, para avaliar o contributo dos farmacêuticos comunitários, enquanto prescritores independentes, e dos serviços prestados farmácias para alargar a oferta do sistema de saúde, ao nível dos cuidados de saúde primários.

O projeto abrangeu cinco comissões clínicas da região de Nottingham e foram acordadas práticas entre médicos de clínica geral e farmacêuticos comunitários durante um ano, num total de 13 mil consultas ao longo do ano. O estudo concluiu que os farmacêuticos conduzem programas de revisão da medicação, libertando desde logo tempo despendido pelos médios nesta ação.

Concluiu-se também que os farmacêuticos conseguiram iniciar programas de acompanhamento e de revisão da terapêutica de doentes crónicos, libertando também recursos nos cuidados de saúde primários.

Entre as limitações identificadas neste trabalho está o reduzido número de farmacêuticos comunitários qualificados e certificados como prescritores independentes, o que levou inclusivamente ao recrutamento de um farmacêutico hospitalar para participação no projeto.

Os autores do estudo sugerem por isso a formação e qualificação dos farmacêuticos, no sentido do reconhecimento como prescritores, com evidentes benefícios para todo o sistema de saúde.

Com tempos de consulta mais prolongados, que permitem a prestação de um serviço mais centrado nas necessidades dos doentes, os farmacêuticos comunitários são agentes de saúde cruciais na promoção da adesão à terapêutica e do uso responsável dos medicamentos, aumentando a eficiência dos sistemas e a efetividade das terapêuticas administradas aos doentes.

Fonte: Ordem dos Farmacêuticos



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *