Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 10 de março de 2009.

Anvisa proíbe a venda de “Kit Ressaca” no País

COMPARTILHE:

Jornal da Tarde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda, em todas as farmácias do Brasil, do chamado ‘Kit Ressaca’, combinado de três medicamentos, comercializado com o intuito de amenizar os efeitos do excesso de bebida alcoólica.

A proibição foi publicada no último domingo no Diário Oficial da União. Segundo a Anvisa, o departamento de monitoração de propaganda de medicamentos da pasta recebeu a informação que estabelecimentos farmacêuticos estavam comercializando o kit, com preços promocionais. Depois desse comunicado nacional, a farmácia ou drogaria que for flagrada vendendo o combinado poderá sofrer sanções sanitárias e até a determinação do fechamento do local, além de multas.

O ‘Kit Ressaca’ era composto por três produtos médicos: Hepatox (usado para o fígado), Gastroliv (uma espécie de sal de frutas) e Nerlagymn (para dor de cabeça), todos remédios fabricados pelo laboratório goiano Cifarma. A farmacêutica, por meio da assessoria de imprensa, informou “não saber que as farmácias estavam vendendo o combinado das três medicações”. Ainda segundo a empresa, não há nenhuma orientação por parte do laboratório que diz que os medicamentos só fazem efeito, ou melhoram a eficácia, quando usados juntos.

A Anvisa comunicou que a Cifarma não foi notificada porque as evidências são de que as próprias farmácias elaboraram o kit. De acordo com a agência sanitária, qualquer tipo de promoção de venda casada de remédios não é permitida. A fiscalização é de responsabilidade das vigilâncias sanitárias municipais. O problema do uso combinado de remédios é o aumento de efeitos colaterais, dizem os médicos.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.