fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 27 de abril de 2009.

Coquetel precoce diminui morte de portadores de HIV

COMPARTILHE:

Folha de S. Paulo

Conclusão é de dois estudos e pode ser um divisor de águas no tratamento da Aids
 
Mudança na terapia poderia reduzir mortalidade pela metade, mas esbarra em aumento de custos com medicamentos e testes
 
A mortalidade entre portadores de HIV diminui com a antecipação do início da terapia com antirretrovirais, concluíram dois estudos publicados neste mês nas revistas médicas "New England Journal of Medicine" e "Lancet".
O tema pode representar um divisor de águas no tratamento da Aids, segundo infectologistas brasileiros. Atualmente, a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda considerar o tratamento quando a contagem de T CD4+ -células que coordenam a defesa do organismo, mas que são destruídas pelo HIV- estiver abaixo de 350 por microlitro de sangue.
 
Nos níveis inferiores a 200 -que caracterizam a Aids, mesmo que assintomática- a terapia é obrigatória. No Brasil, 44% dos doentes iniciam o tratamento abaixo desse patamar.
Segundo um dos estudos, a antecipação da terapia para quando a contagem ainda for superior a 500 CD4/mm3 -equivalente ao de indivíduos com sistema imunológico normal- pode reduzir até pela metade a mortalidade.
 
"Talvez o Programa Nacional [de DST e Aids] tenha que se preparar para isso no futuro. Se está morrendo menos gente, não tem por que não mudar", diz o infectologista André Lomar, membro do Grupo de Consenso em Terapia da Aids do Ministério da Saúde.
No entanto, um novo patamar introduziria custos substanciais com drogas e testes e dobraria o número de pacientes atendidos pelo ministério. Hoje, 190 mil estão em tratamento. "Isso pode aumentar em cerca de 200 mil pessoas [atendidas]. Haverá condições técnicas?", questiona o infectologista Sérgio Cimerman, que preside o Congresso Panamericano de Infectologia, que termina amanhã, em Campos do Jordão (SP).
Mudanças nas diretrizes da terapia antirretroviral não devem ocorrer ainda neste ano, mesmo em países desenvolvidos, acredita Jeffrey Nadler, diretor de pesquisas de tratamento de HIV do Instituto Nacional de Saúde americano (NIH, da sigla em inglês), que palestrou no congresso.
 
"Mas sei que isso será discutido nesse período. Até a OMS está contemplando a possibilidade de elevar as contagens de CD4 em relação a países pobres", disse Nadler à Folha.
Segundo Mariângela Simão, diretora do Programa Nacional de DST e Aids, a decisão de antecipar o início do tratamento não pode ser tomada com base em um ou dois estudos. "O Brasil segue as recomendações do consenso, que são baseadas em evidências internacionais, e da OMS. Não basta um estudo isolado para mudar a política."

A pesquisa do "New England Journal of Medicine" concluiu que o risco de morte para quem inicia o tratamento quando a contagem de CD4 estiver abaixo de 350 é 69% maior comparado a quem começa entre 350 e 500 CD4/mm3. Quando o patamar sobe para 500, essa porcentagem vai para 94%. Foram acompanhados 17,5 mil pacientes assintomáticos com HIV nos EUA e Canadá.
 
Já a do "Lancet", que analisou dados de 18 pesquisas, totalizando 46 mil pacientes com HIV, revelou que iniciar o tratamento em contagem de 251 a 350 CD4/mm3 está associado a maiores taxas de Aids e morte do que começar entre 351 e 450 CD4/mm3. Com isso, sugere que se eleve para 350 a con


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×