fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 26 de março de 2009.

Cresce consumo de Viagra entre menores argentinos, diz pesquisa

COMPARTILHE:

BBC

Um novo estudo realizado na Argentina indica que três de cada dez "medicamentos para ereção" vendidos no país no ano passado foram consumidos por menores de idade.
O estudo foi realizado por especialistas da Escola de Farmácia e Bioquímica da Universidade Maimónides, de Buenos Aires, que se basearam em uma pesquisa do Colégio Oficial de Farmacêuticos e Bioquímicos da capital argentina.

O levantamento recolheu dados de 379 farmácias de Buenos Aires. Os resultados foram publicados em reportagem do jornal Clarín.
Pesquisa semelhante realizada dois anos antes, em 2006, indicava que, na ocasião, o consumo entre os jovens era menor, já que dois de cada dez medicamentos eram vendidos a pessoas com menos de 18 anos de idade.
Em 2006, os medicamentos que contêm o mesmo princípio ativo do Viagra ocupavam o 75º lugar entre os remédios mais vendidos do país. Em 2008, eles pularam para a 22ª posição, de acordo com a Universidade Maimónides.

Virgindade

O baixo preço de alguns destes medicamentos – que podem chegar a custar apenas 5 pesos (R$ 3) por comprimido – e a não exigência de receita estaria facilitando o aumento do consumo entre os jovens, segundo os pesquisadores.
"O consumo de Viagra está crescendo entre adolescentes de 15 e 16 anos de idade, de todas as classes sociais", disse a pediatra Mirta Garategaray, do Comitê da Adolescência da Sociedade Argentina de Pediatria, ao Clarín.
"Alguns deles contaram que tomaram quando perderam a virgindade para garantir um bom desempenho", acrescentou. "Se eles só têm cinco pesos no bolso, preferem comprar Viagra em vez de preservativos."

No hospital público Fernández, na capital argentina, adolescentes têm sido atendidos com reações adversas causadas pelo Viagra.
"Tivemos aqui pacientes que contaram que tomaram o Viagra na primeira noite de sexo", contou Carlos Damin, chefe de toxicologia do hospital, ao jornal. "Estamos surpresos com a facilidade com que eles conseguem comprar esse remédio."
Ao mesmo tempo, de acordo com uma pediatra do hospital infantil Ricardo Gutiérrez, os telefonemas de jovens que querem saber os efeitos adversos do Viagra na saúde são frequentes.

"Uns tomam porque têm medo de falhar na hora H, e outros porque tomaram alguma bebida alcoólica para perder a inibição e optam pelo Viagra para garantir a ereção", afirmou Marta Braschi ao Clarín.
O risco, ressaltam os especialistas, é que estes adolescentes tornem-se "dependentes" do Viagra desde cedo.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está trabalhando de forma semipresencial como medida de segurança contra a Covid-19.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial na sede de 8h às 17h.

Terças e quintas: atendimento remoto de 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.