Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 22 de setembro de 2009.

Crise no Butantã afasta Isaias Raw da presidência da fundação

COMPARTILHE:

O Estado de S. Paulo

Investigação do Ministério Público de SP aponta que funcionários teriam desviado R$ 30 milhões em três anos

O presidente da Fundação Butantã, Isaias Raw, foi afastado por 20 dias do cargo e a superintendente Hisako Gondo Higashi também deixou a função após o Ministério Público de São Paulo apontar indícios de má gestão de recursos da instituição. A medida foi adotada pelo Conselho Curador por recomendação do Ministério Público.
De acordo com investigação dos promotores, estima-se que, pelo menos, R$ 30 milhões tenham sido desviados por funcionários nos últimos três anos. O orçamento anual da fundação é de R$ 300 milhões.

O promotor Airton Grazzioli afirma que não há, até o momento, nenhuma suspeita de que os dois pesquisadores estejam envolvidos no esquema. "Nossa recomendação (de afastar Raw) foi motivada por entendermos que o professor realizava uma gestão temerária dos recursos", afirma Grazzioli. "O pesquisador forneceu senhas pessoais de contas bancárias para funcionários não qualificados administrarem o dinheiro."

O Ministério da Saúde paga à fundação pela compra de soro e vacina – cerca de 90% das vacinas produzidas no País e utilizadas no Sistema Único de Saúde são fabricadas pelo Butantã.

Para receber o dinheiro de um contrato, a fundação abre contas no Banco do Brasil. Em tese, essas contas deveriam ser fechadas após o término de cada contrato. Uma dessas contas, que já não aparecia no balanço e nos demonstrativos contábeis da fundação, teria sido usada para receber pagamentos do ministério e desviar recursos para empresas que participariam do esquema.

O principal suspeito de coordenar o esquema, segundo o Ministério Público, seria o ex-gerente financeiro Adalberto da Silva Bezerra, demitido por justa causa em dezembro do ano passado, três meses depois do início das investigações.

De acordo com a investigação, o esquema teria a participação de funcionários do segundo e terceiro escalões. A apuração começou depois de um alerta do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que identificou no ano passado movimentações suspeitas de pagamento por serviços prestados a uma microempresa chamada Sunstec, no valor de R$ 2,6 milhões. A empresa teria repassado parte do valor a funcionários da fundação.

O inquérito aponta que pelo menos oito deles e outras cinco empresas teriam participado do esquema. Raw foi substituído temporariamente pelo médico Erney Plessmann de Camargo, e a superintendência ocupada pelo pesquisador da USP Hernan Chaimovich. O promotor afirma que as investigações continuam. O MP estudará se vai ajuizar ações civis públicas contra Raw e Hisako. Os funcionários envolvidos na operação devem responder a processos civis e criminais por crime contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e desvio de verba.

Mudança não afetará produção
A Fundação Butantã emitiu nota para informar que o médico Erney Plessmann de Camargo, atual presidente da Fundação Zerbini, que administra o Instituto do Coração (Incor), assumiria interinament


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.