fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 15 de maio de 2009.

Detecção tardia da endometriose dificulta tratamento  

COMPARTILHE:

Maxpress

Doença que atinge entre 10% e 15% das mulheres em idade reprodutiva é caracterizada pela presença do tecido endometrial fora da cavidade uterina.

Sentir dor durante a relação sexual, sofrer mensalmente com fortes cólicas menstruais e ter dificuldade para engravidar são sintomas clássicos da endometriose – doença que afeta entre 10% e 15% das mulheres em idade reprodutiva e que é caracterizada pela presença do tecido endometrial (aquele que reveste o útero) fora da cavidade uterina. Agora, sentir ardência e dificuldade na hora de urinar, vontade constante de ir ao banheiro e sensação de bexiga cheia podem parecer sintomas clássicos de uma infecção urinária comum, mas também podem indicar que a endometriose afetou as vias urinárias.

De acordo com o urologista Rafael Mamprin Stopiglia, membro do grupo de oncologia urológica da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), as complicações das vias urinárias aparecem em cerca de 1% a 2% das mulheres que sofrem com endometriose. "Nesses casos, a doença deixa de ser tratada pelo ginecologista e passa a ser acompanhada pelo urologista", afirmou Stopiglia, que coordenou uma mesa-redonda sobre o assunto nesta sexta-feira (15/5) durante a XI Jornada Paulista de Urologia – evento promovido Sociedade Brasileira de Urologia – Secção São Paulo (SBU-SP), que acontece até sábado em Campos do Jordão (SP).

Segundo Stopiglia, quando o tecido do endométrio migra para fora do útero ele costuma grudar em outros órgãos (como bexiga, intestino ou no alto da vagina). Quando a mulher menstrua, esse tecido sofre uma ação hormonal provocada pelo estrógeno (principal hormônio feminino) e fica inflamado, causando dores fortes no período. "A gente chama de metástase porque, nesses casos, a endometriose se comporta como uma metástase tumoral. Ela sai do local de origem e ofende o local em que se instala. Essa metástase não é maligna, mas se compara a um tumor", afirma.

Entre o aparecimento dos primeiros sintomas da doença até o diagnóstico correto de endometriose podem passar anos e o problema ir se agravando. Há vários tipos de tratamento, entre eles estão o uso de anticoncepcional para regular a menstruação, o bloqueio dos hormônios femininos e, em casos mais graves, a cirurgia. Quanto mais cedo o problema é detectado, menos agressivo é o tratamento.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×