Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 20 de dezembro de 2011.

Eurofarma vai construir fábrica na Argentina

COMPARTILHE:

Valor Economico

A Eurofarma, uma das maiores farmacêuticas nacionais, planeja construir uma fábrica na Argentina em 2012. A companhia já possui uma subsidiária no país vizinho, mas ainda não tem uma unidade produtora de medicamentos própria. "A decisão de construir uma fábrica já foi tomada e começamos a analisar alguns terrenos", disse ao Valor Maria del Pilar Muñoz,diretora de novos negócios e sustentabilidade do grupo.

Considerado um mercado fechado, com a concentração de produtores locais, a Argentina é estratégica para o movimento de expansão do laboratório nacional. "É o terceiro maior mercado de medicamentos da América Latina [atrás do Brasil e México]", afirmou Maria del Pilar.

O valor do investimento ainda não foi definido. A companhia pretende produzir nessa unidade sólidos orais (comprimidos), segundo a executiva. Em 2009, a Eurofarma colocou os pés pela primeira vez na Argentina, com a compra do pequeno laboratório Quesada, que terceiriza a produção de medicamentos.

O plano de internacionalização da companhia começou em 2009, com a aquisição feita na Argentina. Um ano depois, comprou os laboratórios Gautier, no Uruguai, e o Volta, no Chile.

Os próximos passos da Eurofarma na América Latina têm como alvo Colômbia, Venezuela e México. Fontes do setor afirmaram que a Eurofarma estaria negociando uma fábrica da americana Merck Sharp & Dohme (MSD) na Colômbia. Procurada, a MSD no Brasil não comenta negociações internacionais da farmacêutica. A Eurofarma nega. Na Venezuela, a empresa não descarta, no futuro, erguer uma unidade "greenfield" (construção).

As discussões sobre harmonização de dossiês e reconhecimento mútuos de registros de medicamentos entre os países da América Latina, que ainda estão bem incipientes, poderiam facilitar o trânsito de medicamentos nos países latino-americanos. Para a executiva da Eurofarma, a harmonização de dossiês entre os países já seria um passo importante paracompanhias com investimentos fora do país.

No mercado interno, os planos de expansão da Eurofarma para 2012 são igualmente ambiciosos. A empresa criou um conselho consultivo e pretende ter um conselho de administração. Os planos, no curto prazo, ainda não contemplam abertura de capital, segundo a executiva. "Mas queremos estar prontos", disse.

Para o próximo ano, a companhia prevê crescimento de cerca de 15%. A expectativa é que o faturamento encerre em 2011 em R$ 1,55 bilhão. Em 2010, a receita ficou em R$ 1,3 bilhão. "Nossa estimativa é atingir vendas de R$ 1,77 bilhão em 2012."

"O ano de 2011 foi intenso para a Eurofarma. Foi um período de consolidação de nossos negócios [compras do laboratório nacional Segmenta e da chilena Volta em 2010]", disse Maria del Pilar. O grupo também avançou em participação de mercado. "Crescemos na área de prescrição médica [90% são produtos similares de marca com bioequivalência], saindo doquarto lugar para segundo lugar neste mês. Em genéricos, recuperamos uma parte de nossa perda de participação. Em oncológicos, atingimos um resultado muito bom."

A incorporação da Segmenta, com sede em Ribeirão Preto (SP), com forte atuação na área de soro, ajudou a complementar o portfólio da Eurofarma na área hospitalar, o que também inclui medicamentos injetáveis e antibióticos. "Neste primeiro ano com a Segmenta, tivemos um período de aprendizagem e realizamos alguns ajustes", disse. Segundo a executiva da farmacêutica, a empresa teve que treinar equipes e reorganizar o modelo logístico e de armazenagem.

No segmento veterinário, o grupo também expandiu seus negócios, com a maior venda de vacinas para febre aftosa. Neste ano, Eurofarma e Cristália se associaram para criar a Supera, uma joint venture, com 50% cada, para comercializar medicamentos maduros de ambas companhias.

A companhia concluiu recentemente pesados investimentos para expandir sua fábrica de Itapevi, na Grande São Paulo. Para 2012, a companhia pretende investir cerca de 6% de seu faturamento em pesquisa e desenvolvimento (P&D).


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.