Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 1 de fevereiro de 2013.

Extrafarma negocia venda de participação para fundos

COMPARTILHE:

A rede de farmácias Extrafarma, do grupo paraense Imifarma, negocia a venda de pelo menos 30% da empresa com quatro fundos de investimentos, apurou o Valor. Controlada pela família Lazera, de Belém (PA), a companhia mantém conversas hoje com os fundos Texas Pacific Group (TPG) e o Warburg Pincus, ambos dos Estados Unidos; o Kinea, do Itaú e o 3i, da Inglaterra. A decisão deve ser tomada até março. Nesse grupo estão dois dos maiores gestores de private equity do mundo, o TGP e o Warburg Pincus. O banco Itaú BBA foi contratado pela Extrafarma para conduzir as negociações. A entrada de um fundo no negócio vai dar impulso para que a companhia, com 175 lojas, expanda seus negócios nas regiões Norte e Nordeste do país, onde a Extrafarma já atua. O plano é manter essa parceria com os novos investidores por até cinco anos, com a entrada dos recursos para sustentar a expansão orgânica da empresa. Dentro desse prazo, a empresa também estuda a possibilidade de fazer uma Oferta Pública de Ações (IPO, em inglês). Procurados, TPG, Kinea, Warburg Pincus e 3i não se manifestaram. Em entrevista ao Valor, o presidente da companhia, Paulo Lazera, não comentou a informação sobre as negociações. Também não confirmou que há fundos envolvidos na operação. Lazera disse que a companhia precisa reforçar a expansão orgânica, e ocupar novos espaços em Estados onde a competição é menor – e as margens de retorno mais altas – do que o Sul e Sudeste. A companhia tem planos de abrir cerca de 70 novas farmácias até 2016. As líderes desse mercado, como Raia Drogasil, tem aberto 100 lojas ao ano. Em 2012, a Extrafarma começou a negociar um acordo com a Brazil Pharma, braço de varejo farmacêutico do BTG Pactual, mas as negociações não avançaram. A BR Pharma só aceitava ficar com o controle do negócio, e a família Lazera não aceitava se desfazer do controle. Há uma intensa movimentação em torno de aquisições e novas parcerias no varejo de farmácias no Brasil. A forte expansão desse mercado – vendas do setor de drogarias cresceram 16,5% até novembro – acima do verificado em mercados maduros, chama a atenção de investidores estrangeiros. O processo de consolidação se intensificou a partir da união de Raia e