fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 22 de julho de 2009.

Gripe suína puxa receita das farmacêuticas

COMPARTILHE:

Valor Econômico

Algumas das maiores farmacêuticas do mundo estão colhendo bilhões de dólares em receitas extras, em meio à crescente preocupação com a aceleração da disseminação da gripe suína. Analistas estão prevendo um aumento significativo nas vendas da GlaxoSmithKline (GSK), Roche e Sanofi-Aventis, quando elas anunciarem os resultados do primeiro semestre, graças a contratos governamentais para a produção de vacinas contra a gripe e medicamentos antivirais.

As novas vendas – com base nos fortes resultados apresentados pela Novartis e a Baxter, que produzem vacinas – surgem após os últimos cálculos mostrarem que mais de 740 pessoas já morreram por causa do vírus H1N1, e milhões foram afetadas em todo o mundo.
A GSK confirmou que já vendeu, sozinha, 150 milhões de doses de uma vacina contra a gripe – equivalente às suas vendas normais da vacina contra a gripe sazonal – para países como o Reino Unido, EUA, França e Bélgica, e está preparando o aumento da produção.

A GSK também produz o Relenza, antiviral que reduz a duração e gravidade da infecção, e prepara-se para aumentar a produção para 60 milhões de doses anuais. O Reino Unido fez uma encomenda de 10 milhões de doses para este ano.
Uma das mais beneficiadas pelos temores crescentes de uma pandemia tem sido a Roche, que vende o Tamiflu, um dos principais medicamentos antivirais disponíveis. A companhia registrou um aumento nas encomendas de companhias privadas e governos.

Um estudo divulgado na semana passada pelo JP Morgan estima que os governos já encomendaram quase 600 milhões de doses de vacinas contra a pandemia, num valor de US$ 4,3 bilhões, e há potencial para a venda de mais 342 milhões de doses avaliadas em US$ 2,6 bilhões.
O estudo prevê que as novas vendas de antivirais poderão reforçar as receitas da GSK e Roche e mais US$ 1,8 bilhão no mundo desenvolvido, e em até US$ 1,2 bilhão no mundo em desenvolvimento.

Mas há incertezas para as farmacêuticas. Com a demanda devendo superar a oferta, e a produção inicial sugerindo que os lucros com a vacina contra a gripe suína são relativamente baixos, elas poderão se deparar com escolhas difíceis na definição do quanto vão oferecer para os diferentes países que estão fazendo encomendas.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×