fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 29 de abril de 2013.

Letra legível de médico é um direito do cidadão

COMPARTILHE:

Entender ‘letra de médico’ é tarefa árdua para farmacêuticos e pacientes na hora de comprar remédios. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), a legibilidade das receitas é um direito do cidadão e divulgar essa norma aos consumidores passou a ser lei no município do Rio, na última quarta-feira. A partir de agora, hospitais, clínicas, laboratórios e farmácias da cidade deverão afixar em local visível o aviso: “É vedado ao médico receitar ou atestar, de forma secreta ou ilegível, quaisquer documentos médicos. O não cumprimento desta resolução deverá ser denunciado ao Cremerj”. O cartaz deverá ter, no mínimo, 30×50 cm. A lei foi sancionada pelo prefeito Eduardo Paes, e a prefeitura estuda como será a fiscalização da nova norma. O ex-vereador Carlinhos Mecânico (PSD), um dos autores do projeto de lei, de 2011, diz que a demanda surgiu por parte dos jovens. “Filhos e netos de idosos que iam comprar o medicamento para seus parentes confundiam os remédios, o que atrasava o tratamento”, explica. “A população ficará mais consciente de que a receita médica serve para resolver um problema e não para criar outro”, acrescenta ele. Secretário-geral do CFM, Henrique Silva explica que, em caso de denúncia, o conselho avalia se houve uma infração ética por parte do médico. “Em caso positivo, ele poderá sofrer advertência, censura e até cassação do registro”, afirma. “A receita é o coroamento da consulta médica e seu mau entendimento gera riscos para o paciente”, complementa o médico. Para entender as receitas, é preciso muitos anos de prática Enquanto a lei não é disseminada, os ‘garranchos’ dos médicos ainda são motivos de dor de cabeça entre farmacêuticos e pacientes. Apesar de exercer a profissão desde os 17 anos, Vanderlei Vieira, 48, ainda enfrenta problemas para entender receitas médicas. “O pior é quando o pedido é por telefone. Já tive que mandar funcionário ir à casa do cliente para saber o que ele queria”, conta. Para Fátima Inês, também farmacêutica, entender a caligrafia dos médicos é questão de prática. “Os farmacêuticos deduzem a receita porque conhecem o nome de todos os remédios, mas entendo a dificuldade do cliente”, diz ela.   Fonte: O Dia – RJ


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está trabalhando de forma semipresencial como medida de segurança contra a Covid-19.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial na sede de 8h às 17h.

Terças e quintas: atendimento remoto de 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.