Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 17 de novembro de 2011.

Mais 12 patentes de medicamentos vencem em 2012

COMPARTILHE:

Brasil Econômico

O inferno astral das maiores farmacêuticas do mundo, às voltas com o vencimento das patentes de seus medicamentos, continua. O último balanço da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró-Genéricos) revela que, em 2012, mais doze fórmulas cairão no domínio público; e outras onze estão previstas para 2013, entre os quais o anti-inflamatório Celebra, da Pfizer. Mas as empresas não abandonam as patentes sem luta: para manter a exclusividade, a praxe é recorrer à Justiça e pedir prorrogação.

Relatório do Deutsche Bank prevê uma perda anual de US$ 27 bilhões de receita até 2015 com as patentes vencidas a partir de 2009. Só a Pfizer perderá entre 2010 e 2013 patentes de remédios que geram receita anual de US$ 29,2 bilhões. Apenas com o Liptor, medicamento contra colesterol elevado, cuja patente expirou no final de 2010, a Pfizer poderá perder por volta de US$ 12 bilhões ao ano.

Na lista compilada pela Pró-Genéricos para 2012 estão medicamentos importantes e de preços elevados para câncer de mama e colo-retal, como o Xeloda (Capecitabina) da Roche, e o Glivec (Imatinibe) da Novartis, para leucemia; além do Geodon, utilizado para distúrbios psicológicos, da Pfizer. Os três medicamentos foram objeto de ação judicial visando prorrogação da patente no Brasil, mas os recursos se esgotaram. Com isso, candidatam-se ao mercado de produtos sem marca que o mercado estima que deve crescer R$ 800 milhões entre 2010 e 2012.

Terceiro mercado
Refletindo essa tendência, as projeções indicam que em 2015 o Brasil deve se tornar o terceiro maior mercado de genéricos do mundo, atrás dos Estados Unidos e da China. Atualmente, o setor movimenta 21,3% do volume total de remédios e 17% em valor, ou US$ 3,2 bilhões.

As vendas registraram crescimento de 32% em 2010, ano em que o mercado de genéricos faturou R$ 6,2 bilhões; e tudo indica que até o fim de 2011 essa taxa será superada. “O importante nesse número é que o aumento é orgânico, estamos crescendo há quatro anos sem parar”, diz Odnir Finotti, presidente da Pró Genéricos. “Para o ano que vem, nossa expectativa é manter o mesmo crescimento.”


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

Olá, Associado Ascoferj! Dê um play ▶️ e veja o CONVITE que o Bernardinho do voleibol tem para você! 😉

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.