fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 27 de abril de 2009.

Remédios fracionados estão em falta

COMPARTILHE:

Jornal Nacional

A venda de medicamentos dessa forma já é permitida no país há quatro anos. Então, por que eles não estão nas farmácias?
 
Quem procurou já deve ter percebido que tipo de artigo anda em falta nas farmácias brasileiras. São os remédios fracionados.
 
A comerciante Motserrat Batlle foi comprar um anti-inflamatório para dor nas costas, e só havia caixa com 20, mas ela queria metade. “A gente compra uma caixa de medicamento bem mais cara e sobra muito remédio”, critica.
 
A embalagem fracionada possui um corte pontilhado que permite destacar individualmente os comprimidos, na quantidade que o cliente quiser levar. A venda de remédios dessa forma já é permitida no país há quatro anos. O difícil é encontrar comprimidos desse tipo nas farmácias.
Em uma drogaria, só alguns analgésicos, antitérmicos e antigripais são vendidos em quantidades menores. Mas a maioria, só em caixas fechadas.
 “Cada medicamento de dentro da caixinha vem com uma única bula, que diz a validade, o lote. A gente só pode vender a caixa fechada”, explica a dona de farmácia Jaqueline Freitas.
 
No caso de fracionamento, a embalagem de cada comprimido deve trazer o nome do princípio ativo, a dosagem, o lote o prazo de validade. Ao todo, 176 medicamentos estão na lista de fracionados registrados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Então, por que eles não estão nas farmácias?
 
“As farmácias e drogarias, por desconhecimento, também não compram da indústria e dos distribuidores este tipo de medicamento. Depois, a indústria não produz uma quantidade suficiente para suprir o mercado dos medicamentos fracionados”, observa o diretor sindicato farmacêuticos de Minas Gerais, Albano Verona.
 
Hoje, o fracionamento não é obrigatório. Os laboratórios fabricam se quiserem e questionam as consequências.
 
“Imagina o risco se um paciente que tem que tomar um antibiótico por sete dias, quatro vezes ao dia, num total de 28 cápsulas, não comprar”, aponta o presidente da Associação de Laboratórios Farmacêuticos, Carlos Geyer.
 
Seu Celso acha que a responsabilidade por cuidar da saúde é do paciente e reclama de pagar pelos comprimidos de que não precisa. “É um dinheiro soado. É um dinheiro que vai embora pelo ralo”, critica.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×