Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 13 de outubro de 2009.

Simpósio da Merck Serono apresenta benefícios do uso do cetuximabe na terapia do câncer colorretal

COMPARTILHE:

Portal Fator Brasil

A personalização do tratamento do câncer colorretal foi o tema discutido no dia 9 de outubro (sexta-feira), em simpósio satélite promovido pela Merck Serono durante o XVI Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica, organizado pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), em Fortaleza (CE). O encontro foi presidido pelo médico Frederico Costa, do Hospital Sírio e Libanês, com participação de Paulo Hoff, professor da Universidade de São Paulo, e de Graeme Poston, do University Hospital Aintree (UHA), em Liverpool, Inglaterra.

O uso do cetuximabe, anticorpo monoclonal contra o receptor do fator de crescimento epidérmico, que está relacionado com o crescimento dos tumores, foi destacado pelo Dr. Poston, um dos mais renomados especialistas europeus em cirurgia hepática. Segundo ele, pacientes que usam a substância no tratamento de primeira linha da doença, aliado à quimioterapia, não somente têm aumento na sua sobrevida, como também obtêm altas taxas de resposta, o que aumenta as chances de ressecção das metástases hepáticas e, eventualmente, até de cura.

No simpósio, foi apresentado estudo no qual a substância cetuximabe demonstrou uma melhora significativa na sobrevida global quando adicionado à quimioterapia de primeira linha padrão para câncer colorretal metastático em pacientes com tumores do tipo KRAS não mutado. Em pacientes sem mutação do gene KRAS na regulação de seus tumores – característica facilmente reconhecida em testes – a sobrevida mediana foi de 23,5 meses nos que receberam o cetuximabe junto com a terapia quimioterápica FOLFIRI, comparada com 20 meses nos que receberam apenas a quimioterapia. O risco da progressão da doença foi reduzido em 30% e a probabilidade de conseguir uma resposta do tumor dobrou.

Mais informações sobre a doença – As estimativas nacionais para o ano de 2005 apontaram o câncer colorretal como o quarto mais frequente para ambos os sexos, sendo 12.410 casos novos em homens e 13.640 em mulheres. Estes valores correspondem a um risco estimado de 14 casos novos a cada 100 mil homens e de 15 para cada 100 mil mulheres. A maior incidência de casos ocorre na faixa etária entre 50 e 70 anos, com risco aumentado a partir dos 40 anos. Para esse tipo de câncer, a sobrevida média cumulativa em cinco anos é de 40-50%, não sendo grande a diferença entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.