Tire 6 dúvidas sobre variantes da Covid-19

Variantes Covid-19
Foto: Unsplash
Variantes Covid-19
Foto: Unsplash

Muito se ouve falar sobre as novas cepas do coronavírus que se manifestam em todo o mundo e, com isso, dúvidas e preocupações surgem. Cepa indiana, inglesa, sul-africana, de Manaus, todas são resultados de mutações que acontecem com o vírus o tempo todo e se espalham entre as pessoas.

Segundo David Schlesinger, médico geneticista e CEO da Mendelics, laboratório brasileiro especializado em sequenciamento, inclusive do SARS-CoV-2, uma mutação é capaz de fornecer novas características para o vírus, alterando a forma como ele se propaga e a reação e o efeito na pessoa infectada: “Essas novas cepas são rastreadas em tempo real por programas de vigilância genômica, que possuem compartilhamento de dados e plataformas colaborativas online”, explica o médico.

Ele responde seis dúvidas sobre o tema. Confira abaixo.

1 – Qual a diferença entre mutação, variante e cepa?

Mutação refere-se à mudança na sequência do RNA do vírus que pode levar a uma alteração na proteína resultante dele. A variante se refere aos vírus que diferem em sua sequência de bases do RNA em uma ou várias posições. Quando as variantes são transmitidas e detectadas na população, são denominadas cepas ou linhagens com características comprovadamente diferentes.

2 – Quais foram as primeiras variantes encontras no Brasil?

As variantes predominantes são a B.1.1.28 e a B.1.1.33. No fim de 2020, variantes derivadas da B.1.1.28 se alastraram pelo País, as chamadas P.1 (Manaus) e P.2 (Rio de Janeiro).

3 – Quantas e quais são as principais variantes do vírus circulando em solo brasileiro?

A principal variante é a P.1, presente em 90% dos casos sequenciados atualmente. A P.2 atinge cerca de 5%. Há ainda a B.1.1.7, que é a inglesa, e equivalente a 5% das novas infecções. Já há indícios da variante B.1.351, a sul-africana.

4 – A vacina funciona também para as variantes?

Sim. Os testes feitos até o momento mostram que as vacinas disponíveis e aplicadas no País protegem contra todas as variantes.

5 – Os testes disponíveis detectam as variantes?

Sim.

6 – Como o País poderia abrir novas frentes de enfrentamento da pandemia?

Sequenciamento genético é importante para o monitoramento do surgimento de novas cepas. O que importa é continuarmos monitorando essa evolução daqui para frente, porque podem surgir novas variantes a partir dessas linhagens e que podem ter um perfil de transmissão diferente.

Veja também: Farmácias passam a oferecer check-up para pacientes que já tiveram Covid-19

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Receba as principais notícias direto no celular

Sala de imprensa

Esta é uma área dedicada especialmente para o atendimento à imprensa e com acessos aos nossos releases.

Receba nossa newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Um programa para você ficar sempre bem informado

Talvez se interesse por:

Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×