Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 27 de dezembro de 2019.

Anvisa aprova nova indicação para Vyndaqel, para o tratamento de cardiomiopatia

COMPARTILHE:

Vyndaqel auxilia no tratamento da cardiomiopatia Foto: freepik

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a nova indicação do medicamento Vyndaqel (Tafamidis Meglumina), da Pfizer, para o tratamento de pacientes com cardiomiopatia amiloidótica por transtirretina (ATTR-CM), doença rara associada à insuficiência cardíaca progressiva para a qual não havia ainda opção terapêutica medicamentosa aprovada.

O Vyndaqel

Em 2016, o Vyndaqel foi aprovado no Brasil para o tratamento de outra doença, polineuropatia amiloidótica familiar (PAF), também chamada de paramiloidose ou ATT-PN. É uma enfermidade genética rara e irreversível, mais comum em descendentes de portugueses. Ele foi o primeiro tratamento medicamentoso específico para a doença, incorporado no SUS em 2018.

Já em 2018, o Tafamidis foi definido pela Food And Drug Administration (FDA), a agência regulatória norte-americana, como terapia inovadora para pacientes com ATTR-CM, tendo sua produção acelerada com o objetivo de acelerar a sua aprovação.

Pesquisa para aprovação do medicamento

Foi realizado um estudo clínico de fase 3 que verificou a eficácia, segurança e tolerabilidade às doses do Tafamidis. Ao todo, foram 30 meses em que 441 pacientes dividiram-se para tomar uma dose oral diária do medicamento, de 20 mg ou 80 mg, e um placebo.

Participaram do estudo indivíduos com a forma hereditária da doença e com o tipo selvagem, relacionado ao envelhecimento. A frequência de hospitalizações e a mortalidade dos pacientes foi menor entre os pacientes que receberem o Vyndaqel (264) do que os que receberam placebo (6 dos 117).

O que é cardiomiopatia amiloidótica por transtirretina?

Nas duas formas da doença, em decorrência da mutação, a proteína transtirretina torna-se insolúvel e suscetível à formação de fibrilas amiloides, que ficam acumuladas em diversos tecidos do corpo. Quando concentradas no coração, interferem em seu funcionamento. O medicamento age na estabilização dessas proteínas.

A prevalência da doença no Brasil e em âmbito mundial ainda é desconhecida. Estima-se que menos de 1% dos pacientes já tenha sido diagnosticado. Sem tratamento, a expectativa de vida é de apenas 2 a 3 anos e meio após o diagnóstico.

A diretoria médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine, revela entusiasmo com o medicamento. “Até então, as opções eram gerenciar os sintomas e, em casos raros, o transplante de órgãos. Com esse medicamento, os pacientes podem viver mais e com mais qualidade de vida”.

Veja também: Anvisa aprova registro de AMITIZA

Fonte: Revista da Farmácia


VER MAIS SOBRE: anvisa / Cardiomiopatia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.