Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 31 de janeiro de 2014.

Anvisa suspende uso de lote de antibiótico

COMPARTILHE:

Uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada ontem (30/01/2014), determinou a suspensão da distribuição, do comércio e do uso, em todo o país, do lote 438569 do antibiótico claritromicina 250 mg/5 ml grânulos para suspensão oral, fabricado pelo laboratório EMS. Segundo a Anvisa, um laudo da Fundação Ezequiel Dias, vinculada à Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, apresentou resultado insatisfatório em análise de teor de princípio ativo no medicamento, que se encontra inferior ao padrão, o que pode acarretar um tratamento deficiente. A orientação da agência é para que os consumidores não utilizem o produto. A Anvisa disse não ter informações sobre a quantidade de produtos afetados e sua distribuição pelo país. A EMS também não divulgou esses dados. A agência, porém, determinou que a empresa promova o recolhimento do estoque existente no mercado relativo ao lote em questão. Segundo o infectologista Caio Rosenthal, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, o problema é "gravíssimo". A claritromicina, afirma, é usada no tratamento de pneumonias adquiridas na comunidade (e não a hospitalar), nos casos em que o agente infeccioso não é conhecido. O remédio é usado em associação com outro antibiótico. "Se você não oferecer a dose correta, não vai atingir o microrganismo e vai selecionar as cepas mais resistentes. É como dar uma dose mais baixa do antibiótico." A utilização de um antibiótico com quantidade mais baixa de princípio ativo pode complicar o quadro da pneumonia, segundo Rosenthal. A EMS, fabricante do medicamento, informou que já havia iniciado em 24 de outubro de 2013 o recolhimento de forma voluntária do lote referido, fabricado em 03/2012 e com validade até 03/2014. Além disso, o laboratório divulgou que está realizando todos os procedimentos cabíveis junto aos órgãos regulatórios em relação ao recolhimento. Fonte: Folha de S. Paulo


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.