Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 31 de maio de 2010.

Autoridades discutem segurança de medicamentos homeopáticos e importância da acessibilidade

COMPARTILHE:

Jornal Brasil

Uma das opções terapêuticas mais utilizadas no mundo, o tratamento homeopático é 100% seguro. Essa foi a conclusão do painel sobre segurança dos medicamentos homeopáticos que aconteceu em 27 de maio, no Congresso Pan-Americano de Farmácia, em Porto Alegre (RS), que reuniu autoridades no assunto do Brasil, Europa e Estados Unidos.

Convidado de honra do evento, o Dr. Taoubi Khalil, chefe do Comitê de Toxicologia e Segurança da Convenção da Farmacopeia Homeopática dos Estados Unidos explicou que a homeopatia tem segurança comprovada por anos de prática clínica e atestada pelas mais rigorosas agências reguladoras do mundo. "É uma terapêutica utilizada por 300 milhões de pacientes no mundo", ressaltou.

Para a Dra. Carla Holandino, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do comitê da Farmacopeia Homeopática Brasileira, o que importa é oferecer opções eficazes e seguras de tratamento. Ela lembrou que a água, por exemplo, apresenta cerca de 40 "anomalias", ou comportamentos não comuns a outros elementos e até hoje não explicados, e ninguém deixa de confiar na água por conta disso. "Os medicamentos homeopáticos são, sim, atípicos, mas devem respeitar todas as regras de qualidade e segurança como qualquer medicamento", completou o Dr. Taoubi.

O diretor internacional da Boiron, Daniel Omont, destacou que os padrões de qualidade resultantes de um modelo de fabricação industrial, em larga escala, ajudam a garantir a segurança dos medicamentos homeopáticos. "A rastreabilidade de todo o processo, por exemplo, permite identificar onde poderiam estar eventuais pontos de toxicidade dos produtos, o que é fundamental para atestar a segurança do medicamento", analisou. Para ele, é importante atestar e também demonstrar a segurança dos medicamentos homeopáticos. "Ainda mais no Brasil, um dos raros casos de países que ainda exigem prescrição médica para esse tipo de produto em alguns casos", completou Omont.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.