Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 26 de janeiro de 2010.

Emagrecedor na berlinda

COMPARTILHE:

O Dia

Brasileiros podem perder um forte aliado na busca pela boa forma. A Agência Europeia de Medicamentos proibiu a venda da sibutramina, substância popular no Brasil e nos Estados Unidos que auxilia o emagrecimento.

A recomendação é baseada em um estudo que já dura seis anos e indicou aumento de 16% do risco de enfartes e derrames em pacientes que utilizam a substância. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que ainda está analisando o estudo para decidir se irá proibir a droga.

Nos EUA, a droga já estava sendo vendida de forma restrita desde dezembro, quando a organização de saúde americana Food and Drug Administration (FDA) observou que o uso do medicamento aumenta o risco de infartos e derrames. Segundo a FDA e a Agência Europeia de Medicamentos, os riscos da sibutramina superam seus benefícios.

O presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Ricardo Meirelles, acha precipitada a decisão de proibir o remédio.

Críticas à medida
O médico questiona a medida pois, segundo ele, o medicamento acelera a perda de peso, possibilitando, com isso, justamente a diminuição do risco de problemas cardiovasculares, que são relacionados à obesidade. "A pesquisa foi feita com 10 mil voluntários que tinham problemas cardiovasculares. Esses pacientes já não poderiam utilizar a sibutramina, por contraindicações da bula", criticou. "O remédio só pode ser utilizado com indicação médica e por pacientes que não tenham risco cardiovascular", frisou. Rui Ramos, cardiologista, chefe da Unidade Coronária do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, também discorda da proibição, mas pondera: "Acho que haverá maior cuidado na hora de receitar o medicamento, com melhor avaliação dos riscos. É fato que os médicos receitam sem saber o histórico do paciente. O Brasil é o maior consumidor de drogas para emagrecer do mundo".

Para Meirelles, a proibição só prejudica quem não tem doenças prévias e necessita da sibutramina para emagrecer. "Quanto mais rápido a pessoa conquista um peso e uma vida saudável, menos risco ela corre de ter outras doenças". Ele explica que pessoas que sofrem de sobrepeso são mais suscetíveis a AVC, diabetes, enfarte, colesterol alto e hipertensão.

Reeducação alimentar
Ainda de acordo com o médico, no Brasil não há evidências que mostrem riscos aos pacientes para os quais a sibutramina está indicada. "Aguardamos orientações", afirma, explicando que a sibutramina deve ser utilizada como coadjuvante de um programa de atividades físicas, reeducação alimentar e mudança de hábitos.

Atenção

Benefícios – A sibutramina acelera o processo de emagrecimento, pois atua na sensação de saciedade. Como ela age rápido no cérebro, o paciente come menos e melhor.

Efeitos colaterais – Taquicardia, boca seca, pressão alta, dor de cabeça, insônia, náusea, vertigem, alteração do paladar, sudorese, constipação, irritação no estômago, entre outros.

Indicação – A substância é recomendada no Brasil para pacientes com índice de


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que estará trabalhando de forma semipresencial no mês de janeiro.

 

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial na sede de 8h às 17h.

Terças e quintas: atendimento remoto de 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.