fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 29 de outubro de 2010.

Futuro da indústria farmacêutica no Brasil depende da inovação, diz presidente do Sindusfarma em seminário da ABDI

COMPARTILHE:

Snif

“Sem inovação não teremos papel expressivo no futuro, porque a inovação é a força do crescimento de qualquer área, especialmente a da saúde”. Assim o presidente do Sindusfarma, Omilton Visconde Júnior, definiu o desafio que a indústria farmacêutica instalada no Brasil terá pela frente nos próximos anos.

A declaração foi feita na abertura do seminário Áreas Estratégicas na Indústria da Saúde, que aconteceu no dia 26/10, na sede da entidade. “Esse debate é de grande importância para a indústria e vai fornecer uma agenda relevante para os candidatos e o futuro presidente da República”, disse Omilton.

O encontro foi organizado pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com Sindusfarma; Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo); e Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Omilton pregou uma melhor coordenação dos órgãos governamentais encarregados da política industrial para o setor – BNDES e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. “Não adianta esses agentes se organizarem se a Anvisa e o sistema tributário não estiverem integrados no processo”.

O representante da Abimo, Márcio Bósio, também se referiu aos entraves regulatórios, defendendo mais agilidade no registro dos produtos médicos. “O ‘custo Brasil’ está em algumas exigências da regulação e em prazos”, disse. “Desenvolvemos o produto sem previsão de quando ele chegará ao mercado”.

Dirceu Barbano, diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), disse que há um esforço para eliminar esses gargalos. “Temos o desafio de dar um novo salto de desenvolvimento da indústria de saúde brasileira”, afirmou. “Queremos acolher e ampliar uma política de governo. Estamos abertos ao diálogo com o setor produtivo”.

A diretora da ABDI, Cleila Pimenta destacou o propósito do evento. “O principal objetivo do seminário é fortalecer a interação entre os diversos atores da indústria da saúde”, disse. “O seminário quer mostrar que é possível fazer biotecnologia e nanotecnologia no Brasil”.
Para o representante da Fiesp, Gabriel Tannus, o Brasil não pode se dar ao luxo de perder de novo o bonde da história na área farmacêutica. “É preciso promover a aproximação entre Academia e o setor industrial”.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×