Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 2 de junho de 2010.

Glaxo abre código de medicamentos para a comunidade

COMPARTILHE:

Jornal da Ciência

A farmacêutica britânica abriu ao público, há duas semanas, os modelos de 13.500 componentes químicos que, segundo ela, seriam capazes de inibir o parasita que causa a malária.

A Glaxo espera que o compartilhamento de informações e a pesquisa conjunta levem os cientistas a descobrir uma droga para o tratamento da doença mais rapidamente do que se trabalhassem sozinhas. Outros pesquisadores "podem ver essas estruturas de uma outra maneira e encontrar algo diferente do que nós encontramos", diz Nick Cammack, diretor do centro de desenvolvimento de remédios da Glaxo na Espanha.

A iniciativa é uma das mais importantes já feitas pela indústria farmacêutica de usar técnicas de código aberto para a descoberta de drogas, baseando-se no princípio de que a colaboração de voluntários será capaz de criar produtos que não pertencem a uma só empresa.

Os dados da Glaxo serão disponibilizados por três sites, dois dos quais financiados por governos (um nos Estados Unidos e outro na Europa). O terceiro é de uma empresa do Vale do Silício chamada Collaborative Drug Discovery Inc. A CDD, como é chamada, foi desmembrada, em 2004, da Eli Lilly & Co. e é financiada pela Fundação Bill & Melinda Gates e também pelo Founders Fund, uma empresa de capital de risco.

O serviço é gratuito. Se o pesquisador quiser combinar os dados a informações exclusivas, a CDD também oferece no site uma versão segura e paga, que permite aos usuários resguardar informações que querem manter em sigilo.

O desenvolvimento de um remédio é um processo de erro e acerto que envolve identificar quais componentes químicos produzem certos efeitos num determinado alvo biológico. No caso da malária, o alvo pode ser o P. falciparum, parasita que causa a doença, ou os glóbulos vermelhos necessários para a sobrevivência. No ano passado, a Glaxo testou 2 milhões de compostos, selecionando as 13.500 moléculas que, segundo ela, têm algum efeito.

Entretanto, reduzir a lista de compostos a um número restrito de itens que possam levar ao desenvolvimento de um remédio é um processo cada vez mais complexo. Qualquer componente que se prove promissor levará anos de pesquisas e investimento para se transformar num remédio contra a malária.

A Glaxo afirma que não pretende patentear qualquer remédio contra a malária que possa ser descoberto a partir desses componentes, e espera que outros pesquisadores doem sua propriedade intelectual para um pool de patentes voltado a doenças negligenciadas como a malária.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.