Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 10 de junho de 2010.

GSK escolhe o Brasil para reduzir preço de remédios

COMPARTILHE:

Valor Econômico

Grupo vai adotar a estratégia em outros emergentes

Em uma estratégia considerada um tanto arriscada, a inglesa GlaxoSmithKline (GSK) decidiu reduzir de 20% a 50% os preços de seis importantes medicamentos da companhia no Brasil. A aposta da farmacêutica é impulsionar as vendas, promovendo maior acesso a esses produtos. Essa tática também será adotada em outros países emergentes, disse ao Valor Cesar Rengifo, presidente do laboratório no país.

No Brasil, a companhia escolheu alguns de seus produtos de inovação para essa nova estratégia de preços, como o Cervarix, vacina contra HPV oncogênico, e o Seretide, medicamento indicado no tratamento crônico de asma e de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPCO). Na lista, estão incluídos também antibióticos de referência, como o Amoxil e Clavulin, e outros remédios, como o Lamictal (antiepilético), e Imigran (combate enxaqueca).

Os medicamentos Cervarix, Amoxil e Clavulin terão redução média de 50% nos preços. O Seretide, de 30%; o Lamictal, 35%, e o Imigran, entre 20% e 40%, dependendo de sua apresentação. As novas cotações já estão em vigor.

Esses medicamentos, juntos, geram receita de cerca de R$ 160 milhões. A estratégia da GSK é adotar preços mais adequados à realidade econômica de cada país, onde essa nova prática será adotada, afirmou o executivo. O Brasil foi um dos primeiros países a testar essa nova abordagem da empresa. Outra aposta é a Índia. "O país é um dos mais importantes entre os emergentes", disse Rengifo. A expectativa é elevar consideravelmente as vendas em volumes e ganhar mais espaço no mercado nacional.

Com faturamento no país de R$ 943 milhões em 2009, nas áreas farmacêutica e consumo, a companhia está otimista em relação a 2010. Rengifo estima um crescimento da ordem de 16% da GSK no país este ano, considerando que o setor deve apresentar alta entre 13% e 14%.

Com sede no Reino Unido e com base operacional nos EUA, a empresa tem aproximadamente 7% do mercado farmacêutico mundial. A sede regional do grupo na América Latina está localizada no Rio de Janeiro.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.