Índice para reajuste de medicamentos deve ser fixado pelo governo em 12,5%

Os medicamentos poderão subir até 12,5% a partir de 31 de março, mas o consumidor deve perceber o aumento gradualmente, conforme as farmácias forem renovando os seus estoques.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A crise econômica está afetando o setor farmacêutico e, pela primeira vez em mais de 10 anos, o governo deve determinar um reajuste anual de preços acima da inflação. Os medicamentos poderão subir até 12,5% a partir de 31 de março, mas o consumidor deve perceber o aumento gradualmente, conforme as farmácias forem renovando os seus estoques. As oscilações do câmbio e o aumento expressivo da energia elétrica tiveram grande influência na mudança.

Os medicamentos têm os preços controlados pelo governo, que realiza um reajuste anual com base no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Neste ano, a inflação entre março de 2015 e fevereiro de 2016 foi fixada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 10,36%. Além disso, outros três fatores são usados para definir as faixas de correção.

O primeiro fator considera a produtividade da indústria, que fora positiva nos últimos anos. Já o segundo se baseia na concorrência das classes terapêuticas para estabelecer faixas distintas de reajustes. Por último, o terceiro fator pondera forças econômicas como câmbio e energia elétrica na equação.

Desta vez, a produtividade da indústria foi negativa, ou seja, a mão de obra contratada produziu menos que no ano anterior. Assim, os fatores de produtividade acabaram sendo anulados e, com isso, o governo determinou apenas uma faixa de reajuste para todo o setor.

O terceiro fator, divulgado nesta tarde (09/03), adicionou 2,14 pontos percentuais ao IPCA, devido à desvalorização do real frente ao dólar e aos aumentos no valor da energia elétrica.

“O cálculo do governo mostra com clareza que até a indústria farmacêutica, normalmente menos prejudicada por crises econômicas, está sendo atingida pelo momento difícil que o Brasil enfrenta”, afirma Antônio Britto, presidente-executivo da INTERFARMA (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa).

cid:image010.png@01D17A27.32B17960

 

Fonte: Intefarma

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Receba as principais notícias direto no celular

Sala de imprensa

Esta é uma área dedicada especialmente para o atendimento à imprensa e com acessos aos nossos releases.

Receba nossa newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Um programa para você ficar sempre bem informado

Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 8h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×