fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 15 de abril de 2015.

Mercado farmacêutico prevê aumento de custos

COMPARTILHE:

Enquanto muitos setores da economia já enfrentavam dificuldades expressivas, as farmacêuticas puderam respirar aliviadas com o crescimento de 45% do faturamento, pelo canal farmácia, nos últimos quatro anos. Só em 2014, o aumento foi de 11,4%, chegando a R$ 41,8 bilhões, apesar do Produto Interno Bruto (PIB) praticamente estagnado. Mas agora, o desafio está aumentando. Com as mudanças na economia promovidas pelo Governo Federal e suas consequências ao custo de produção, as farmacêuticas buscam cada vez mais eficiência em seus processos. Além disso, o real tem se desvalorizado diante do dólar, o que prejudica a importação de insumos, e não há perspectiva de cenários melhores tão cedo. Por conta do sistema de regulação do mercado, a indústria não pode repassar nem parte dos novos custos ao consumidor. O preço de seus produtos é controlado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) que, por lei, define o aumento de preço uma vez no ano com base numa fórmula específica. Neste ano, o reajuste médio foi de 6%, enquanto a inflação foi de 7,7%. Nos últimos 10 anos, a defasagem dos reajustes anuais passa de 21%, com relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do período. Para manter o ritmo de crescimento, a indústria busca soluções para alguns entraves crônicos no País. O primeiro deles é o fato de não haver uma resposta organizada e realista para a questão do acesso. Cerca de 74% dos medicamentos brasileiros são comprados e pagos pelo bolso das pessoas, sem apoio do governo. Isso significa que a medicação mais complexa e mais cara acaba não chegando à maioria da população. O segundo ponto é a questão tributária. O Brasil é campeão mundial em imposto sobre medicamentos. Temos uma situação injusta porque mesmo olhando os tributos dentro do país, o medicamento paga mais do que outros produtos, como, por exemplo, biquíni e ursinho de pelúcia; e isso prejudica o acesso da população aos tratamentos que precisa. Fonte: Saúde Business  


VER MAIS SOBRE: arquivo


Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está trabalhando de forma semipresencial como medida de segurança contra a Covid-19.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial na sede de 8h às 17h.

Terças e quintas: atendimento remoto de 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.