Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 13 de abril de 2016.

O melhor cenário

COMPARTILHE:

Ponto de Vista_Mauro Pacanowski 2Revista da Farmácia (ed.191):

Por Mauro Pacanowski

A nova realidade das prateleiras impeliu a indústria farmacêutica a buscar auxílio no marketing para levar o medicamento certo ao público-alvo perfeito. A responsabilidade começa quando o uso do marketing farmacêutico joga pesado para influenciar suas marcas, devido à competição dos medicamentos genéricos, e precisa buscar/reconhecer no varejo farmacêutico os especialistas que conhecem a dinâmica de um medicamento para que possam influenciar no aumento do portfólio da indústria nas prateleiras e, consequentemente, reduzir as rupturas.

Encontrar uma solução eficiente para compreender essa interação entre indústria e varejo é importante. Por isso, a necessidade de conhecer o que os urologistas, oncologistas, reumatologistas, dermatologistas, gastroenterologistas e, principalmente, prescritores estão prescrevendo, e o que os clientes, na ponta do varejo, estão percebendo do medicamento prescrito.

É responsabilidade conjunta descobrir e comunicar esses estudos para os players envolvidos, inclusive os distribuidores, para que, de forma rápida, possam se preparar adequadamente, permitindo que os avanços tecnológicos cheguem mais rápido ao ponto de venda e ajudando no lançamento de medicamentos, bem como obrigando a indústria a repensar sua estratégia de marketing e sua forma de atuação no varejo.

Conquistar a fidelidade do cliente e da indústria se tornou uma tarefa muito mais complexa para o varejo. Diferenciais como qualidade do produto e atendimento são atividades subvalorizadas. Os clientes se utilizam de critérios mais abrangentes e subjetivos para escolher os medicamentos que vão consumir. Isso sem falar na restrição à propaganda e à promoção de medicamentos e na atuação do farmacêutico com uma abordagem prática e técnica.

O grande desafio para o varejo é manter um relacionamento cada vez mais próximo com o cliente, de forma que sua farmácia e serviços sejam percebidos como algo único. Os profissionais de marketing da indústria e o pessoal do varejo precisam trocar experiências e conhecimentos sobre substâncias, indicações, contraindicações, interações medicamentosas e efeitos adversos dos vários medicamentos expostos à comercialização. Dessa forma, ficam mais preparados para atuar, maximizando a aceitação e a venda dos medicamentos em parceria com a indústria.

Nesse contexto, o desafio é identificar quais as parcerias que realmente fazem a diferença na conquista do cliente e, consequentemente, trazem melhores resultados operacionais e mais rentabilidade. Quanto mais preparado estiver o varejo para falar a linguagem do cliente, mais fácil será para se diferenciar as ações de marketing da indústria, oferecendo suporte ao balconista e ao farmacêutico, agregando valor à prática diária, enriquecendo a relação e gerando melhores resultados em termos de competitividade.

Comunicação Ascoferj



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.