Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 10 de dezembro de 2014.

Pfizer recebe aprovação para lançar Xeljanz no Brasil e inaugura classe de medicamentos para artrite reumatoide

COMPARTILHE:

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de aprovar Xeljanz (citrato de tofacitinibe) para o tratamento de adultos com artrite reumatoide (AR) de moderada a grave, que tiveram intolerância ou não responderam adequadamente à terapia com DMARDs não biológicos (medicamentos modificadores do curso da doença reumática). A artrite reumatoide é uma doença inflamatória crônica e progressiva que atinge as articulações, resultado de uma disfunção do sistema imunológico. O problema afeta cerca de 1% da população mundial¹. Xeljanz é o primeiro tratamento oral DMARD para artrite reumatoide nos últimos 10 anos e entre seus principais diferenciais está a administração oral com eficácia semelhante à dos medicamentos biológicos (injetáveis). O tratamento realizado com comprimidos simplifica consideravelmente a vida dos pacientes. "A possibilidade de novas opções de tratamento para AR é extremamente importante, já que cerca de 30% dos pacientes não respondem adequadamente aos tratamentos existentes – como metotrexato (medicamento desenvolvido na década de 1940 e utilizado até hoje como parte do tratamento de doenças autoimunes) e DMARDs biológicos", afirma Eurico Correia, diretor médico da Pfizer Brasil. O Xeljanz tem um mecanismo inovador que age dentro das células, nas vias intracelulares que desencadeiam processos inflamatórios, especificamente inibindo a janus quinase (JAK) – proteína que faz parte do processo de aparecimento desta doença. Os estudos com a molécula apontaram que pacientes com AR moderada a grave apresentaram redução significativa dos sinais e sintomas da doença, além de melhora na função física – ou seja, na realização de atividades rotineiras. Aprovado em 36 países, Xeljanz já foi utilizado por 16.839 pacientes em estudos clínicos (até abril de 2014), além de outros 26.000 que receberam prescrição para o medicamento. O medicamento também está sendo estudado para o tratamento de psoríase, artrite psoriásica, espondilite anquilosante e doenças inflamatórias intestinais. Fonte: Pfizer  


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.