Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 25 de novembro de 2010.

Prepare a loja para o verão

COMPARTILHE:

Acoferj

Exposição adequada, espaços temáticos e parcerias com a indústria de beleza e cosméticos ajudam a aquecer as vendas

O verão está próximo. A chegada dele eleva os termômetros, mas pode fazer subir também o tíquete médio de farmácias e drogarias que souberem se preparar para essa época do ano. É importante pensar num conjunto de fatores, como mix de produtos adequado, treinamento de pessoal, preço competitivo e organização da loja.
O consultor em varejo farmacêutico Eduardo Teperino explica que as lojas devem estar bem abastecidas com um sortimento de produtos que atenda às necessidades de consumo dos clientes no verão, principalmente o do Rio de Janeiro, onde as temperaturas chegam a 40 graus. “Devido ao aumento do fluxo nesse período, a categorização irá permitir que o cliente encontre o que procura com maior facilidade, gerando satisfação de compra”, orienta.

Gerenciamento por categorias é a metodologia que privilegia a organização de produtos de acordo com a relação que estabelecem entre si. Por exemplo: todos os itens relacionados aos cabelos devem ficar próximos. Esse tipo de arrumação facilita a localização dos produtos e estimula a compra por impulso, já que faz o cliente ter vontade de levar itens que não estavam na lista.

E por falar em cabelos, eles são a estrela do verão. Sol e praia são uma combinação perigosa para os fios, que vão precisar de tratamentos mais intensivos para se recuperar. Por isso, para o gestor do Centro de Prepare a loja para o verão Experiência do Consumidor da Embelleze, Gabriel Caldas, farmácias e drogarias devem se abastecer de produtos que estejam diretamente relacionados aos cuidados e proteção dos cabelos. “É muito importante que os pontos de venda tenham disponíveis nas gôndolas as principais inovações e lançamentos das indústrias de beleza e cosméticos, oferecendo novidade e qualidade para as consumidoras”, ressalta Caldas.

O diretor da Animus O2, Steve Hevesi, defende que a farmácia tem que pensar de forma mais ampla. “Além dos produtos básicos para proteger e hidratar a pele, o varejo pode oferecer serviços de acordo com o perfil do público-alvo. Seria interessante e atrativo, por exemplo, manter no ponto de venda profissionais dando dicas de como se cuidar melhor no verão, até mesmo no que diz respeito à alimentação e exercícios físicos”, sugere Hevesi.

Parceria com indústria e equipe treinada

Para ter esse diferencial, os estabelecimentos precisam de uma equipe bem preparada, apta a falar corretamente sobre os produtos. “As indústrias devem treinar os balconistas a respeito dos itens que comercializam, principalmente quando se tratar de lançamentos. É importante dominar informações como características, conceitos, benefícios e forma de aplicação. O objetivo é que os funcionários estejam preparados para indicar o produto no momento da abordagem do consumidor. No caso dos produtos para cabelos, a procura é mais frequente no verão, já que as mulheres os lavam muito mais e a ida ao ponto de venda é mais constante”, destaca Caldas.

Eduardo Teperino também recomenda treinamento direcionado ao atendimento, mas inclui a exposição de produtos. “O atendimento diferenciado é um dos principais fatores que contribuem para o aumento no faturamento e na fidelização do cliente. Já o aprendizado sobre categorização ajudará no conhecimento técnico de como se preparar uma exposição por famílias, categorias e subcategorias, detalhes que geram compras por impulso”, aconselha.

A parceria com fornecedores pode ser uma boa alternativa, e até mais econômica. Geralmente, os fabricantes enviam perfumistas ao ponto de venda treinadas para informar sobre determinados produtos. Entretanto, cada empresa deve investir em sua própria equipe, para que, uma vez sem o apoio da indústria, consiga manter a qualidade do atendimento.

A arrumação também é um fator importante. Trabalhar a comunicação visual utilizando cores fortes poderá contribuir para maior destaque dos produtos de verão. “Para essa comunicação visual, devese utilizar cartazes, banners, encartes e etiquetas promocionais, todos padronizados. É simples e barato decorar com bolas de soprar nas cores do estabelecimento. Porém, tem que se tomar cuidado com a poluição visual”, orienta Teperino.
O diretor da Animus O2 sugere a criação de espaços temáticos, como o “cantinho do verão”. Nele, a loja poderá expor todos os produtos relacionados ao tema. Os clientes se sentirão mais atraídos, principalmente quando sentidos como cheiro, textura, visão são estimulados. “Um cheirinho que remeta a frescor e cartazes com imagens sugestivas podem fazer com que o cliente se sinta mais comprometido e acabe comprando”.
Segundo Gabriel Caldas, os produtos de maior giro no verão devem estar posicionados nas áreas quentes das lojas, ou seja, naquelas de maior trânsito e visibilidade para o consumidor. “Nunca devemos esquecer que os itens devem estar disponíveis e atrativos no ponto de venda, visíveis e de fácil acesso, na altura dos olhos e ao alcance das mãos.

Os produtos mais procurados são sabonetes, com grande oportunidade para os líquidos devido ao alto valor agregado, hidratantes, óleos corporais, protetores labiais, protetores solares, bronzeadores, xampus, condicionadores, filtros solares para cabelos, entre outros. Esses não podem faltar nunca. “Para atrair a atenção do cliente, as lojas utilizam as pontas de gôndola para exposições promocionais desses itens, principalmente do protetor solar e do bronzeador. Nesses dois casos, os varejistas se prepararam antecipadamente para compras em grandes volumes, evitando rupturas e buscando melhores condições comerciais e prazos de pagamento”, explica Teperino.

Segundo os especialistas, vale fazer promoções. “As temáticas sempre são importantes, visto que o consumidor está buscando produtos e preços que atendam às suas necessidades”, diz Caldas.

O sistema de pontuação é apontado por Steve Hevesi como uma possibilidade atraente aos olhos do consumidor. “O cliente vai comprando os produtos da estação e ao atingir a pontuação máxima ganha um prêmio, que pode ser produto, viagem, eletrodoméstico, ingresso para cinema”. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autoriza pontuação em compra de medicamentos, o que configuraria infração sanitária.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.