Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 30 de julho de 2010.

Sesa promete medicamento para reduzir sequelas de AVC até o final do ano

COMPARTILHE:

Gazeta Online

RTPA pode permitir uma desobstrução precoce do vaso destruído. Com essa recanalização, pode haver novamente fornecimento de oxigênio para as células e evitar que elas morram

Um medicamento de alto custo que reduz em 30% as chances de pacientes com diagnóstico de Acidente Vascular Cerebral (AVC) terem menos sequelas, o RTPA, estará disponível na rede pública de saúde estadual até o final do ano, de acordo com o coordenador médico de urgência da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), Carlos Guerra.

Segundo Guerra, a Sesa definiu criar a Rede de Urgência e Emergência e, em cima disso, foram feitos pontos de atenção para o infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e traumas, na região macrocentro, composta pelos 23 municípios da área central, incluindo a região metropolitana do Estado.

"Dentro desse fluxo de atendimento, o RTPA faz parte. Agora estamos na fase de fechamento para colocá-lo na listagem de medicamentos para fazer a compra e disponibilizar nos pontos de atenção adequados", afirma.

O coordenador garantiu que até o fim desse ano essa rede estará em plena atuação e os hospitais Dório Silva e Central vão estar prontos para atender os pacientes que se enquadram no protocolo de atendimento do RTPA.

Já que nem todo caso de AVC é indicado o uso do remédio, que deve ser injetado na veia em no máximo quatro horas e meia após o aparecimento dos primeiros sintomas. Em até seis horas, o medicamento pode ser aplicado direto na artéria através de um cateterismo, mas, de acordo o neurologista José Antônio Fiorot Jr, é um procedimento mais caro e complicado. Por isso, o tempo é fundamental.

Guerra orienta o paciente a procurar a unidade de saúde mais próxima. "O médico tem melhores condições de avaliar e fechar o diagnóstico de um possível acidente vascular cerebral. Assim, por meio da rede do Samu, o paciente segue para o Dório Silva ou Hospital Central", informa.

Hospitais de municípios do interior do Estado, como Santa Teresa, Domingos Martins e Venda Nova do Imigrante também vão participar dessa rede.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.