Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 19 de maio de 2015.

Takeda lança novo medicamento para combate a cânceres raros

COMPARTILHE:

A Takeda acaba de trazer para o Brasil o Adcetris (brentuximabe vedotina), um medicamento para o tratamento do Linfoma de Hodgkin (LH) e Linfoma Anaplásico de Grandes Células (LAGC) em pacientes recidivados ou refratários, ou seja, que não respondem mais ao tratamento tradicional. O medicamento é a primeira nova terapia em mais de 20 anos a oferecer melhora geral significativa em pacientes com esses tipos de câncer1, 2. Para Ricardo Marek, presidente da Takeda no Brasil, “o lançamento de Adcetris significa um marco para a companhia no país com o desenvolvimento de novos medicamentos para a área de oncologia, em que lutamos pela cura do câncer. O nosso compromisso é atender às principais necessidades dos pacientes, lançando medicamentos inovadores e promovendo educação aos profissionais da saúde”. Os linfomas são tipos de câncer que se originam nos linfonodos, gânglios que são importantes no combate às infecções. Os LH e LAGC são doenças raras e muitas vezes devastadoras, que atingem principalmente adolescentes e jovens adultos. Até agora, para estes pacientes que não se curam nas primeiras linhas de tratamento, as opções eram muito limitadas. O medicamento é um conjugado anticorpo-droga que atinge células cancerosas positivas para CD30, uma proteína expressa na superfície das células do câncer3.Diferentemente das terapias quimioterápicas tradicionais, que afetam as células saudáveis, o Adcetris demonstrou ter ação alvo inovadora, ligar-se ao CD30 e destruir as células nocivas acometidas pelo câncer 4. Dados de estudos em pacientes com LH e LAGC mostraram uma resposta global em 75% dos pacientes com uma taxa de resposta completa de 34%, além de um tempo médio de sobrevida global (SG) de mais de três anos (40,5 meses) em pacientes politratados com LH recidivado ou refratário após transplante de células tronco (TACT) que receberam tratamento com brentuximabe vedotina5. Além disso, após um acompanhamento médio de 33,4 meses quase dois terços dos pacientes (64%) com LAGC recidivado ou refratário ainda estavam vivos 6,7.As reações adversas mais frequentemente observadas em pacientes que recebem este tratamento foram: neuropatia sensorial periférica, fadiga, náuseas, diarreia, neutropenia, vômitos, febre e infecção do trato respiratório 5,7. A inovação trazida com o lançamento de Adcetris é capaz de mudar a forma como o Linfoma é tratado hoje em dia, podendo oferecer mais tempo e qualidade de vida aos pacientes. “Os resultados revelam a importância dessa nova terapia-alvo para pacientes que antes não tinham qualquer opção de tratamento”, afirma Marcelo Freire, diretor médico da Takeda. Fonte: Assessoria de imprensa/Tino Comunicação


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.