Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 19 de abril de 2011.

Teuto inicia produção de genérico para tratamento de glaucoma

COMPARTILHE:

Valor Economico

O laboratório Teuto começa a produzir hoje o genérico do Cosopt, produto de referência desenvolvido pela multinacional Merck Sharp & Dohme (MSD), cuja patente expirou ontem.

O medicamento atua no controle da pressão ocular que, se elevada, pode caracterizar um glaucoma. O Teuto calcula que o produto movimenta no país R$ 35 milhões, somente no segmento farmacêutico. O medicamento também é vendido para o governo. "É um produto importante, com alto valor agregado", afirmou ao Valor o gerente de novos produtos do laboratório, Rodrigo Macedo.

Segundo o executivo, a empresa prevê atingir, em três meses, 20% do mercado de referência nas farmácias. O preço do genérico, de acordo com o Teuto, será 35% menor do que o do Cosopt, uma redução de R$ 31,80. O laboratório prevê a produção – que une as substâncias cloridrato de dorzolamida e maleato de timolol – de 22 mil unidades do genérico por mês.

O desenvolvimento da cópia do medicamento durou cerca de três anos e, em julho do ano passado, o Teuto obteve o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Além desse genérico, deverão ter outras cópias entrando no mercado com o fim da patente. A Germed, do grupo EMS, por exemplo, também já conseguiu o registro da Anvisa para a fabricação do produto.

O Cosopt foi lançado pela MSD em 1998 no Brasil. "O término da patente do medicamento é uma clara demonstração dos benefícios que o respeito à propriedade intelectual gera para o mercado e para os pacientes. É um movimento natural do mercado", informou a MSD, em nota, ressaltando que já está tomando ações efetivas que possibilitem ampliar o acesso ao Cosopt.

Segundo dados da Pró-Genéricos (Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos), somente neste ano mais de dez medicamentos perderão suas patentes. Calcula-se que, a partir do momento que um referência perde a proteção, suas vendas caem cerca de 60% no primeiro ano. Em 2009 e 2010, o mercado de inovação perdeu US$ 1 bilhão com o fim das patentes dos medicamentos mais vendidos.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.