Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 15 de dezembro de 2010.

Anvisa lança oficialmente a 5ª edição da Farmacopeia Brasileira

COMPARTILHE:

ANVISA

A Agência apresentou oficialmente, ontem (14/12), em Brasília (DF), a quinta edição da Farmacopeia Brasileira. O lançamento ocorreu durante o 2º Simpósio Internacional e 4º Encontro Nacional da Farmacopeia Brasileira, que reuniu mais de 300 profissionais, entre pesquisadores, representantes do setor produtivo e das farmacopeias americana, europeia, argentina, paraguaia e uruguaia.

Pela primeira vez, o compêndio está reunido em um documento digital, o que vai possibilitar fazer atualizações de forma muito mais simples e rápida. O código, que revoga as quatro edições anteriores, também estará disponível em papel, numa publicação que será comercializada posteriormente pela Fundação Oswaldo Cruz.

Durante o evento, o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Raposo de Mello, agradeceu o empenho de todos os profissionais envolvidos no projeto – dentre eles pesquisadores de 18 universidades – e entregou ao professor Gerson Painetti, presidente da Comissão da Farmacopéia Brasileira, o primeiro exemplar da quinta edição.

A diretora da Anvisa, Maria Cecília Brito, falou sobre a importância do documento para a saúde pública brasileira. “Uma farmacopeia sólida proporciona a obtenção de matérias-primas de qualidade, além de reduzir custos para os fabricantes e a ocorrência de eventos adversos para os usuários”, explicou a diretora.

A Farmacopeia Brasileira é o Código Oficial Farmacêutico do País, que estabelece os requisitos mínimos de qualidade para fármacos, insumos, drogas vegetais, medicamentos e produtos para a saúde, por exemplo. O código contém 592 monografias, sendo que 367 destas fazem parte da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename).

Desde 1999, quando foi criada, a Anvisa assumiu a gestão da Farmacopeia Brasileira. A quinta edição representa uma revisão de todas as monografias e métodos farmacêuticos. Para sua elaboração, o trabalho contou com a participação de 225 pessoas, entre membros acadêmicos, representantes da indústria farmacêutica, Anvisa, Ministério da Saúde, entre outros.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.