Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 7 de outubro de 2020.

Biogen lança guia de discussão sobre esclerose múltipla no Brasil

COMPARTILHE:

Esclerose múltipla Foto: freepik

A Biogen Brasil, empresa de biotecnologia especializada em neurociência, acaba de lançar o “Guia de discussão sobre esclerose múltipla no Brasil – juntos para um novo futuro”, material educativo criado para trazer luz ao debate sobre as perspectivas sociais, clínicas e de acesso ao cuidado da esclerose múltipla (EM) no Brasil. O guia é resultado de uma construção colaborativa entre pacientes com a doença, profissionais da saúde, associações de pacientes, sociedades médicas e gestores de saúde.

O gerente geral da companhia, Christiano Silva, explica: “O objetivo do guia é discutir de forma estruturada e aprofundada quais são os possíveis caminhos para criar um futuro diferente para quem tem esclerose múltipla no Brasil, incluindo um novo olhar para o cuidado dessas pessoas. Acreditamos que compartilhar conhecimento e informação sobre a doença é um fator-chave para o futuro melhor de toda a comunidade”.

Abordagem do guia

O material traz informações detalhadas e atuais sobre a esclerose múltipla, uma doença crônica, autoimune e progressiva. Uma delas é que a prevalência no Brasil é de 15 casos para cada 100 mil habitantes, e que as mulheres são as mais afetadas (70%).

“Devido aos sintomas diversos, muitas vezes, a esclerose múltipla é confundida com outras condições. Os primeiros indícios da EM podem aparecer antes dos 18 anos, mas, infelizmente, os diagnósticos costumam ser fechados por volta dos 32 anos de idade. É preciso, cada vez mais, elevar a conscientização sobre a doença: o diagnóstico precoce é essencial para controlar os sintomas e reduzir a progressão da doença, e isso pode mudar vidas”, revela Marcelo Gomes, diretor médico da Biogen.

Gomes reforça que é preciso ter um olhar individualizado para cada paciente e ter o apoio de uma equipe multidisciplinar, complementando o tratamento medicamentoso.

Outros dados

Outro dado apresentado no guia sobre EM foi que, para realizar ressonância magnética, o exame capaz de analisar minuciosamente o cérebro e ajuda no diagnóstico da doença, pacientes precisam, em média, se deslocar mais de 40 quilômetros. Na região Norte, onde há uma carência maior de equipamentos, a distância pode chegar a 160 quilômetros.

Além disso, quase 35% dos pacientes do SUS demoram mais de um mês para iniciar o tratamento. “Existem inúmeros desafios que vão além das questões clínicas, que precisam ser debatidos e de atenção. A doença costuma surgir em adultos jovens, em plena capacidade produtiva. Isso afeta não só a qualidade de vida do indivíduo, mas impacta social e economicamente. Precisamos ampliar esse olhar”, afirma Christiano.

O material pode ser baixado no site oficial.

Veja também: ACG Brasil bate recorde de produção nacional de cápsulas em agosto

Fonte: Revista da Farmácia


VER MAIS SOBRE: Biogen / Esclerose múltipla


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logotipo Ascoferj

INFORMA

Olá, Associado Ascoferj! Dê um play ▶️ e veja o CONVITE que o Bernardinho do voleibol tem para você! 😉

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.