Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 4 de abril de 2011.

Câmara debate proibição da venda de anorexígenos

COMPARTILHE:

CFF

O Vice-Presidente do Conselho Federal de Farmácia CFF, Walter Jorge João, reiterou, dia 1º de abril, em Brasília, durante entrevista à imprensa, a posição do Órgão sobre a intenção da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), de proibir a venda de moderadores de apetite que atuam diretamente no sistema nervoso central, usados para tratar a obesidade. Para Walter Jorge, a Agência não deve proibir, mas, sim, controlar, por meio de uma fiscalização rigorosa, a comercialização desses produtos. Na próxima terça-feira (05.04), a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizará uma audiência pública para discutir a proposta da Anvisa. O CFF participará do evento, que será realizado, a partir das 14h30, no Plenário 7.

“Se a Anvisa banir a venda dos inibidores de apetite sibutramina e derivados de anfetamina (anfepramona, femproporex e mazindol), estará tirando da sociedade e dos médicos essa importante opção terapêutica para o tratamento de quem sofre de obesidade, algumas graves, como a mórbida”, alertou o Vice-Presidente do CFF.
Walter Jorge ressaltou que muitos casos de obesidade não respondem ao tratamento apenas à base de exercícios físicos e dieta. E acrescentou: “A Anvisa não pode desprezar esse fato e proibir linearmente a venda de todos os anorexígenos. Ou será que a Agência entende que proibir é mais fácil que controlar?” Ele disse que o debate, na Câmara dos Deputados, na terça-feira, será valioso, e prevê que ele mostrará o equívoco contido na proposta da Anvisa.

O Conselho Federal de Farmácia já havia manifestado formalmente a sua posição sobre o assunto. No dia 23 de fevereiro, o Órgão encaminhou a Anvisa documento nesse sentido, apresentado e defendido por Walter Jorge João, durante a audiência pública que a Agência realizou, em Brasília, para discutir a sua proposta. Na audiência pública, a ampla maioria dos participantes (médicos, farmacêuticos e outros convidados) foi contrária à proibição.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.