Comlurb pode fiscalizar farmácias? Entenda como o processo é feito

Comlurb pode fiscalizar farmácias
Foto: iStock
Comlurb pode fiscalizar farmácias
Foto: iStock

No último mês, algumas farmácias associadas à Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro (Ascoferj) procuraram o Departamento Jurídico para relatar que passaram por fiscalizações da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). Até o momento, todas ocorreram no município do Rio de Janeiro.

Visando esclarecer a situação, já que a fiscalização do varejo farmacêutico é atribuição da Vigilância Sanitária, e por intermédio do vereador Eliseu Kessler (PSD/RJ), o presidente Luis Marins e o consultor jurídico Gustavo Semblano reuniram-se na manhã desta quinta-feira (10) com o diretor-presidente da Companhia, Flávio Lopes. Entenda como e por que a fiscalização pode ocorrer.

Contextualizado com a legislação

Em 2018, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou a RDC 222, que regulamenta as boas práticas de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde, além de diferenciar os produtos que possuem agentes biológicos, resíduos químicos, radioativos, materiais perfurocortantes, entre outros.

A norma dispõe que é obrigação sanitária das farmácias – consideradas estabelecimentos de saúde – ter o seu próprio Plano de Gerenciamento de Resíduos, sob pena de multas que podem variar entre R$ 2 mil e R$ 2 milhões e até mesmo causar a interdição do estabelecimento.

De acordo com o texto, o plano deve ser desenvolvido pelo farmacêutico responsável técnico, que deverá, entre outras funções, estimar a quantidade gerada de produtos nocivos à saúde, quais são os grupos e os riscos encontrados na loja.

Os estabelecimentos devem contratar uma empresa terceirizada para realizar a destinação correta dos resíduos sólidos especiais.

Fiscalização da Comlurb

A Comlurb é responsável por todo o lixo urbano (pelo Decreto Municipal 21.305/2002) e também por evitar que os resíduos especiais – que têm alta composição química – sejam encaminhados a aterros sanitários comuns e se misturem com comida, roupas e até mesmo papel higiênico utilizado, gerando problemas ambientais e físicos à população.

Flávio Lopes explicou que, em situações anteriores, empresas de outros segmentos da saúde apresentavam, no ato da fiscalização, apenas o contrato com a empresa terceirizada responsável pelo serviço de recolhimento e descarte dos materiais, o que impedia aos fiscais de terem certeza que o processo ocorria corretamente ou se havia chance de o descarte ter sido feito nos aterros.

Para não gerar mais dúvidas, os fiscais passaram a pedir, além do contrato, a ordem de serviço (documento que informa a quantidade de itens recolhidos) e o manejo (que especifica todas as etapas do processo de manuseio dos resíduos).

“O problema é que, muitas vezes, o fiscal não encontra o farmacêutico responsável técnico e a pessoa com quem ele fala na farmácia pode não saber o que é a ordem de serviço. Dessa forma, gerou-se um mal-estar pois as farmácias acharam que precisavam mostrar todo o lixo, o que estaria força da alçada da Comlurb, e não apenas os documentos”, esclarece Gustavo Semblano.

Diante desse entendimento, o diretor-presidente da Comlurb informou que é necessário mudar a forma de abordagem dos fiscais para que o procedimento ocorra dentro do protocolo adequado.

Caso tenha dúvidas sobre o tema, entre em contato com o Departamento Jurídico pelo telefone (21) 98097-0092 ou pelo e-mail departamentojuridico@ascoferj.com.br.

Veja também: Venda de autotestes de Covid-19 nas farmácias: tire todas as dúvidas sobre o tema

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Receba as principais notícias direto no celular

Sala de imprensa

Esta é uma área dedicada especialmente para o atendimento à imprensa e com acessos aos nossos releases.

Receba nossa newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Um programa para você ficar sempre bem informado

Saiba onde encontrar o número da matrícula

Todo associado, além do CNPJ, possui um número de matrícula que o identifica na Ascoferj. Abaixo, mostramos onde encontrá-lo no boleto bancário. Você vai precisar dele para seguir em frente com a inscrição.

BOLETO BANCÁRIO BRADESCO

Encontre em “Sacador / Avalista”.

boleto bradesco contribuição

BOLETO BANCÁRIO SANTANDER

Encontre em “Sacador/Avalista”.

boleto santander contribuição
Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×