Pesquisa inédita mostra que 48% dos brasileiros acham que combate à dengue caiu na pandemia

Casos de dengue precisam de atenção
Foto: iStock
Casos de dengue precisam de atenção
Foto: iStock

Uma pesquisa inédita realizada pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), a pedido da biofarmacêutica Takeda e com coordenação científica da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), avaliou a percepção de dois mil brasileiros sobre a dengue e mostrou que informações básicas sobre a doença ainda não são de pleno conhecimento da população.

Relaxamento dos cuidados

Um dado revelado é que a pandemia de Covid-19 contribuiu para a redução de cuidados com a doença e até mesmo para mudar a percepção sobre ela – 31% acreditam que a doença deixou de existir no período e, mesmo que 53% acredite que o risco de contágio se manteve durante os últimos dois anos, 22% acreditam que o risco diminuiu.

Segundo o Ministério da Saúde, nas seis primeiras semanas deste ano foram registrados 70.555 casos prováveis de dengue no Brasil, 43,5% a mais do que no mesmo período do ano passado. O fato de considerarem que a dengue deixou de existir durante a pandemia pode levar ao relaxamento das ações de controle ao vetor.

“Essa realidade revelada pela pesquisa é preocupante. Com a urgência da pandemia de Covid-19, muitas doenças infecciosas, como as arboviroses (dengue) foram colocadas em segundo plano e até esquecidas. Precisamos retomar a discussão e os cuidados com a dengue, focando em disseminar informações e campanhas de conscientização que estimulem a prevenção”, afirma Alberto Chebabo, presidente da SBI.

Desconhecimento sobre a dengue

O levantamento mostrou ainda dados preocupantes sobre a falta de conhecimentos básicos sobre a dengue: a forma de contágio não é de pleno conhecimento da população – 8% não sabem/lembram e 4% mencionaram contato de pessoa para pessoa – o que não é certo. Picada de mosquito (76%) e água parada (24%) aparecem como as formas mais citadas.

A pesquisa completa pode ser encontrada no site da campanha.

Veja também: Cristália transfere tecnologia de hormônio de crescimento para Fiocruz

Fonte: Revista da Farmácia

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Receba as principais notícias direto no celular

Sala de imprensa

Esta é uma área dedicada especialmente para o atendimento à imprensa e com acessos aos nossos releases.

Receba nossa newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Um programa para você ficar sempre bem informado

Saiba onde encontrar o número da matrícula

Todo associado, além do CNPJ, possui um número de matrícula que o identifica na Ascoferj. Abaixo, mostramos onde encontrá-lo no boleto bancário. Você vai precisar dele para seguir em frente com a inscrição.

BOLETO BANCÁRIO BRADESCO

Encontre em “Sacador / Avalista”.

boleto bradesco contribuição

BOLETO BANCÁRIO SANTANDER

Encontre em “Sacador/Avalista”.

boleto santander contribuição
Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×