Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 23 de setembro de 2010.

Procter & Gamble compra patentes mundiais para acelerar lançamentos

COMPARTILHE:

Valor online

Células-tronco como base para cosméticos que evitam a queda de cabelos ou que rejuvenescem a pele. Polímeros renováveis para fabricação de adesivos e materiais absorventes. Uma nova mistura de zinco com alumínio para uma bateria alcalina de baixo custo. Essas são algumas das inovações que a Procter & Gamble busca pelo mundo e começa a procurar com mais atenção no Brasil. A empresa lançou ontem uma versão em português do seu programa global de inovação aberta – em vez de desenvolver tecnologias em sigilo nos seus laboratórios, a companhia busca parcerias com atuação na mesma área. O objetivo é acelerar o lançamento de produtos.

"Percebemos que para conseguir mais parcerias precisávamos falar os idiomas das empresas", afirmou o diretor global de desenvolvimento de negócios da Procter & Gamble, Chris Thoen.
A conclusão foi tirada após uma experiência com a China abaixo das expectativas da companhia. A multinacional criou há três anos e meio um portal, em inglês, no qual anuncia as inovações que busca e empresas publicam as tecnologias de que dispõem para negociar. A multinacional registrou milhares de ideias inovadoras e apenas 60 propostas de empresas chinesas em dois anos e meio. Do Brasil, foram recebidas cinco propostas. "O resultado estava claramente fora do padrão", avaliou Thoen.

A companhia decidiu criar versões em chinês, japonês, espanhol e agora, português, para atrair empresas dos principais polos de inovação do mundo. Segundo Thoen, o site em chinês, criado há nove meses, gerou oferta de tecnologias 300% maior.
No mundo, a Procter & Gamble recebe em média 20 mil propostas de inovação por ano no portal em inglês. Desse total, aproximadamente 8% são aproveitados pela companhia em novos produtos. Atualmente, diz Thoen, a empresa mantém mil contratos de parceria com 400 empresas no mundo.
"Pelo sistema de inovação aberta já encontramos soluções para 75% das inovações que buscávamos", diz Thoen. A companhia é detentora de aproximadamente 35 mil patentes, mas não informa quantas delas foram obtidas a partir desse programa de inovação aberta.

A Procter & Gamble também não informa quanto investe no Brasil em pesquisa. No mundo, gasta em torno de US$ 350 milhões por ano em pesquisa e desenvolvimento e mantém 14 mil pesquisadores que desenvolvem produtos em 35 centros. Há dez anos, a Procter & Gamble adotou a inovação aberta para acelerar o lançamento de produtos. Outros grupos, como Natura, Embraer, IBM, também mantêm programas de inovação aberta.
No caso da Procter & Gamble, o percentual de produtos com tecnologias de terceiros passou de 10% do portfólio para 50% nos últimos cinco anos. "As empresas de inovação instaladas no Brasil podem contribuir mais para o desenvolvimento de produtos", afirmou o presidente da Procter & Gamble no Brasil, Tarek Farahat.

Algumas tecnologias da companhia foram desenvolvidas em parceria com empresas brasileiras. Uma delas é um sistema que permite empacotar 57% mais unidades de sabão em pó Ace, com redução no custo de 15% em relação ao sistema convencional. As embalagens e equipamentos foram desenvolvidos pela Masipack.
Outra tecnologia brasileira que será adotada pela multinacional em todo o mundo a partir de 2011 é o plástico polietileno de alta densidade, feito à base de cana-de-açúcar e desenvolvido pela Braskem. "Em pesquisas ficou comprovado que as consumidoras dessas linhas também se preocupam com a sustentabilidade ambiental", afirmou Farahat. O material será usado nas embalagens das linhas Pantene Pro-V, Covergirl e Max Factor.


VER MAIS SOBRE: arquivo


Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.