Uso de máscaras de proteção pode causar acne. Veja como evitá-las

Uso de máscaras faciais pode causar acnes
Foto: freepik
Uso de máscaras faciais pode causar acnes
Foto: freepik

Em plena pandemia da Covid-19, o uso de máscaras faciais de proteção é fundamental. Contudo, a sua extensa utilização pode acabar gerando inflamações faciais, também conhecidas como acnes, até mesmo em pessoas adultas. O fenômeno já ganhou um nome na dermatologia: maskne, junção das palavras “máscara” e “acne”.

Essa e outras inflamações são resultantes do atrito do tecido com a pele e da alta produção de sebo e sudorese, causadas pelo abafamento da região. Com a proximidade do verão, a tendência é que o problema aumente ainda mais com as altas temperaturas.

Cuidados com a pele e escolha do tecido

A médica dermatologista Fátima Tubini explica que a escolha do tecido do item obrigatório pode amenizar alguns sinais de maskne: “O material utilizado na máscara interfere, então dê preferência ao algodão, um tecido macio e que tem baixa probabilidade de causar irritação. Outro fator que contribui para o não desenvolvimento da maskne é a troca de máscaras durante o dia, principalmente para aqueles que a utilizam em longos períodos. O ideal é fazer a troca a cada quatro horas ou quando sentir a máscara molhada”.

Além disso, mudanças na rotina de cuidado podem beneficiar a pele, como a higienização diária com sabonete próprio para o rosto, esfoliação duas vezes por semana e o uso de produtos leves. “Procure evitar o uso de maquiagem, pois ela piora o efeito oclusivo da máscara. Durante esse período, opte por produtos com cosmética mais leve, rica em água e textura oil free, isso também vale para o protetor solar”, reforça a médica.

Atendimento médico

Caso a acne persista, mesmo mantendo os cuidados que ajudam a prevenir e minimizar as lesões, é recomendado que um médico seja consultado. “Talvez seja necessário um tratamento dermatológico, com ajustes na rotina de pele. Luz intensa pulsada, limpeza de pele e tratamentos a laser também podem ajudar a solucionar, mas devem ser recomendados por um especialista”, finaliza Fátima.

Veja também: Teuto lança medicamento similar equivalente para insuficiência venosa

Fonte: Revista da Farmácia

Compartilhe:
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Receba as principais notícias direto no celular

Sala de imprensa

Esta é uma área dedicada especialmente para o atendimento à imprensa e com acessos aos nossos releases.

Receba nossa newsletter

Para notícias e ofertas exclusivas, digite seu e-mail abaixo.

Um programa para você ficar sempre bem informado

Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 8h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×