Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 6 de novembro de 2018.

Especialistas debatem asma grave no Rio de Janeiro

COMPARTILHE:

shutterstock

Nesta terça-feira (6/11), os principais aspectos que envolvem a asma, principalmente sua forma grave, serão debatidos por especialistas que estarão reunidos no Rio de Janeiro. Médicos pneumologistas locais participarão de um encontro para discutir o impacto da doença, principalmente de sua forma grave, na saúde do paciente, assim como a importância do diagnóstico precoce e preciso, diferenciando, por exemplo, uma asma maltratada de uma forma mais grave.

A asma grave causa falta de ar, inúmeras idas ao hospital, perda da qualidade de vida e crises, as chamadas exacerbações. A enfermidade é caracterizada por quadros de exacerbações frequentes, mesmo com o tratamento adequado, que inclui altas doses de corticoide inalatório e oral diariamente.

“A asma grave é uma doença crônica que depende essencialmente do controle, por meio dos tratamentos corretos que contribuam para uma melhor qualidade de vida do paciente. O diagnóstico preciso é essencial para distinguir uma asma maltratada de outra em sua forma grave. É importante ressaltar que temos terapias modernas e eficazes que diminuem em 50% o uso de corticoide oral e em até 60% o número de internações hospitalares e visitas à emergência causadas pelos episódios de exacerbações”, explica Bernardo Maranhão, médico pneumologista da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

Tratamento da asma grave

A evolução no manejo da asma grave para o tratamento eficaz da doença crônica será um dos destaques da agenda do encontro, incluindo a chegada de uma nova terapia que pretende suprir uma necessidade não atendida atualmente – o mepolizumabe, um anticorpo monoclonal humanizado da GSK – que pode impactar positivamente na qualidade de vida do paciente. De acordo com os estudos clínicos, o medicamento diminui em 50% o uso de corticoides oral e reduz em 60% as internações hospitalares e as visitas à emergência causadas pelos episódios de exacerbações.

Fonte: GSK



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *