Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 30 de novembro de 2015.

Medicamentos seguem no azul, mas ritmo diminui

COMPARTILHE:

Comparada à maior parte dos demais ramos de atividade, a indústria farmacêutica, em especial os fabricantes de medicamentos genéricos, não teriam do que se queixar, nestes tempos de recessão econômica. As vendas do mercado total, que incluem os medicamentos similares e de referência, aumentaram 7,3%, com 2,8 bilhões de unidades vendidas, gerando receitas de R$ 68, 9 bilhões, crescimento de 14,4%, entre janeiro e outubro deste ano, na comparação com igual período do ano passado.

No entanto, esse desempenho representa uma queda média de 50% sobre os resultados obtidos em 2014. Em outras palavras, embora o setor ainda não enfrente chuvas e trovoadas,a desaceleração do ritmo de desempenho mostra que o céu não é exatamente de brigadeiro, fazendo ligar o sinal amarelo nos QGs dos laboratórios.

“A situação preocupa não apenas as empresas, pela deterioração dos resultados, mas porque mostra que com a crise as pessoas também estão cortando seus gastos com remédios”, afirma a presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos ( ProGenéricos), Telma Salles .Segundo ela, a situação é mais complicada para as pessoas que necessitam usar medicamentos de uso contínuo, principalmente os portadores de enfermidades como diabetes ou hipertensão. “Isso pode produzir um custo social altíssimo”, conclui.

Fonte: IstoÉ Dinheiro



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.