fbpx
Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 5 de março de 2021.

MPRJ tem parecer favorável à Ascoferj em Niterói sobre Certidão de Regularidade Técnica

COMPARTILHE:

MPRJ tem parecer positivo à ação da Ascoferj sobre Certidão de Regularidade Técnica Foto: Divulgaão

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do promotor de Justiça Leonardo Cuña de Souza, apresentou na última quarta-feira (3) parecer favorável à Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro (Ascoferj) em relação ao mandado de segurança coletivo movido contra a Vigilância Sanitária do Município de Niterói.

Entenda o caso

A ação, que está tramitando na 7ª Vara Cível de Niterói, tem como objetivo desobrigar os associados locais da Ascoferj de apresentarem a Certidão de Regularidade Técnica (CRT), expedida pelo Conselho Regional de Farmácia do Estado do Rio de Janeiro (CRF/RJ), para obtenção da licença sanitária municipal ou sua renovação.

Gustavo Semblano, consultor jurídico da Associação e especialista em legislação sanitária e farmacêutica, explica: “Há alguns anos entramos com mandados de segurança nas principais Comarcas do Estado para tentar barrar a exigência que vem sendo praticada pelos órgãos locais de Vigilância Sanitária de que as farmácias e drogarias apresentem a Certidão de Regularidade Técnica”.

Defesa da Ascoferj

O advogado revela que essa exigência não é pertinente, pois na Lei Federal nº 5.991/73, que trata do controle sanitário para comercialização de medicamentos, existem três possibilidades de documentos à exigência legal para obtenção da licença: prova de constituição da empresa, prova de relação contratual entre a empresa o responsável técnico e prova de habilitação legal do profissional.

Esta última representa o cerne da questão, pelo fato de a Vigilância Sanitária entender que a prova de habilitação legal do profissional é a Certidão de Regularidade Técnica, quando, na realidade, pela Lei Federal nº 3.820/60, que criou o Conselho Federal e os Regionais de Farmácia, tal prova é caracterizada pela carteira de identidade profissional do farmacêutico.

“Ainda que haja resoluções criadas pelo Conselho que digam o contrário, as leis federais têm um peso maior. Logo, o documento certo a ser cobrado é a carteira de identidade profissional”, esclarece Semblano. Mesmo com o parecer positivo do promotor de Justiça, o Departamento Jurídico da Ascoferj ainda aguarda a sentença do juiz escolhido para o caso.

Veja também: IVISA-Rio modifica entrega de balanços da Portaria 344/98


VER MAIS SOBRE: Certidão de Regularidade Técnica / Departamento Jurídico Ascoferj / MPRJ / Niterói


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logotipo Ascoferj

INFORMA

A Ascoferj informa que está em regime semipresencial.

Segundas, quartas e sextas: atendimento presencial, das 12h às 17h
Terças e quintas: atendimento remoto, das 8h às 17h.

Telefones de todos os setores para contato:

– Financeiro – (21) 98272-2882
– Jurídico – (21) 98097-0092
– Regulatório – (21) 98272-2852
– Comunicação – (21) 98272-2867
– DAC/Cursos – (21) 98399-0146
– Central de Negócios – (21) 98293-1816
– Comercial – (21) 98097-0099
– Relacionamento – (21) 98145-2036

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.
×