Pular para o conteúdo

Notícias


icone de categorias Notícias icone de data de publicação 15 de janeiro de 2020.

Veja algumas normas que foram alteradas em 2019

COMPARTILHE:

Normas atualizadas em 2019 Foto: shutterstock

O Departamento Jurídico da Ascoferj destaca, neste artigo, importantes alterações em quatro normas, para que você comece o ano bem informado.

Lei nº 13.853/2019

A Lei Federal nº 13.709, de agosto de 2018, também conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), foi atualizada em julho de 2019 pela Lei Federal 13.853.

A primeira mudança a ser observada é a menção de que a LGPD é de “interesse nacional e deve ser observada por União, estados, Distrito Federal e municípios”. O consultor jurídico da Ascoferj, Gustavo Semblano, diz que “a menção foi inserida para evitar alegações de que a LGPD se aplica apenas a nível federal”.

A segunda mudança está na redação do inciso VIII, do artigo 7º da LGPD, que anteriormente dizia que “o tratamento de dados pessoais somente poderá ser realizado nas seguintes hipóteses: … para a tutela da saúde, em procedimento realizado por profissionais da área da saúde ou por entidades sanitárias”.

A partir de agora, lê-se “o tratamento de dados pessoais somente poderá ser realizado nas seguintes hipóteses: … para a tutela da saúde, exclusivamente, em procedimento realizado por profissionais de saúde, serviços de saúde ou autoridade sanitária”.

A terceira mudança está na redação do parágrafo 4º, do artigo 11 da LGPD. Anteriormente, eram proibidos a “comunicação ou o uso compartilhado entre controladores de dados pessoais sensíveis referentes à saúde com objetivo de obter vantagem econômica, exceto nos casos de portabilidade de dados quando consentido pelo titular”.

Com a nova lei, é possível, por exemplo, “a comunicação ou o uso compartilhado entre controladores de dados pessoais sensíveis referentes à saúde com objetivo de obter vantagem econômica” na prestação de assistência farmacêutica.

A quarta mudança está na alteração de algumas sanções administrativas previstas no artigo 52, como, por exemplo, a suspensão parcial do funcionamento do banco de dados citado na infração por seis meses, período que pode ser prorrogado até a regularização da atividade do tratamento pelo controlador.

Além disso, poderá ocorrer também a suspensão do exercício da atividade de tratamento de dados pessoais a que se refere à infração pelo período de seis meses, que também pode ser prorrogado. E, por último, será possível ocorrer proibição parcial ou total do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados.

A quinta mudança é a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão da administração pública federal, integrante da Presidência da República e de natureza transitória.

A última e não menos importante é a composição do Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, cujo número de membros continua sendo 23, porém com alteração em seus componentes.

Lei Estadual nº 8.646/2019

Altera as Leis Estaduais nº 1.582/89 e nº 5.351/08, modernizando a cobrança de créditos tributários e não tributários inscritos em Dívida Ativa do Estado.

A primeira mudança está no parcelamento de débitos tributários com o Estado do Rio de Janeiro. “O valor do crédito concedido no parcelamento irá englobar não apenas a parcela principal, mas as penalidades e os juros, devidamente atualizados pela correção monetária”, explica Semblano.

A segunda mudança trata ainda do parcelamento, informando que cada parcela vincenda será não apenas atualizada monetariamente, mas acrescida do equivalente à taxa de juros moratórios.

A terceira trata-se da autorização da concessão de parcelamento especial de débitos tributários ou não tributários já inscritos em dívida ativa pelo Estado do Rio de Janeiro. “Um exemplo disso é uma multa aplicada pela Vigilância Sanitária Estadual e não paga”, destaca o consultor.

A última mudança diz respeito à Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro, que poderá terceirizar a cobrança dos débitos tributários e não tributários inscritos em dívida ativa a instituições financeiras.

Lei Estadual 8.527/2019

Altera a Lei Estadual nº 6.613/2013, que determinava que Microempreendedores Individuais (MEI), Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) precisavam ter um Livro de Reclamações sujeito ao Código de Defesa do Consumidor e ao PROCON. Com a nova Lei, essa exigência termina.

RDC 328/2019

A RDC, publicada no Diário Oficial da União no fim de dezembro de 2019, trata da avaliação do risco à saúde humana na produção de medicamentos veterinários. “Essa norma destina-se de forma direta à indústria de medicamentos veterinários, para avaliação de níveis de toxicidade na produção desses produtos. No entanto, como tais medicamentos veterinários são comercializados também em farmácias veterinárias, é importante divulgar a informação”, finaliza Gustavo.

Veja também: Julgamento de tributação de fórmulas magistrais tem data marcada para 2020


VER MAIS SOBRE: legislação / Normas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Logotipo Ascoferj

INFORMA

Já estamos com negociações abertas na Central de Negócios.

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.