Pular para o conteúdo

Coronavírus


icone de categorias Coronavírus | Notícias icone de data de publicação 20 de março de 2020.

MS oficializa procedimentos para farmácias no combate ao coronavírus

COMPARTILHE:

MS oficializa normas e procedimentos para farmácias no combate ao coronavírus Foto: Humberto Teski

O Ministério da Saúde acaba de publicar recomendações para reorganização dos processos de trabalho nas farmácias e drogarias de todo o Brasil para a dispensação de medicamentos em situação da epidemia do novo coronavírus. A Nota Informativa nº 1/2020 traz várias normas e procedimentos que deverão ser adotados imediatamente.

Farmácias e dispensários devem evitar aglomerações e providenciar barreiras físicas, definindo a distância entre funcionários e usuários, como também entre os próprios usuários na fila de, no mínimo, dois metros para filas de pacientes sem máscara ou um metro para aqueles com máscara.

Veja mais: Central de Negócios da Ascoferj continua operando durante crise do coronavírus

Melhor ainda se os estabelecimentos conseguirem desenvolver estratégias para controlar o fluxo da entrada e saída de clientes, fazer triagem prévia das prescrições para agilizar e priorizar o atendimento a pacientes e sinalizar, no piso, essa distância mínima com fita, giz ou cones.

Outra recomendação é que pacientes com suspeita de Covid-19 que procurem atendimento devem ser atendidos em local isolado, e o profissional deve utilizar equipamentos de proteção individual (EPI), como máscaras e luvas. Além disso, disponibilizar insumos como sabão líquido, álcool em gel 70% e EPI para o atendimento seguro e adequado.

No que diz respeito à dispensação de medicamentos, os profissionais devem utilizar luvas para evitar o contato com itens de uso pessoal dos pacientes, evitar contato com distância inferior a um metro e priorizar o atendimento de pacientes idosos, com sintomas respiratórios, transplantados, portadores de doenças autoimunes como Artrite Reumatoide, Psoríase, Esclerose Múltipla e Doenca de Crohn e gestantes.

A nota recomenda ainda que se avalie, com gestores locais, a possibilidade de ampliar os prazos de validade das prescrições de uso contínuo e dispensar medicamentos de uso contínuo em quantidades suficientes para períodos superiores a 30 dias, com o objetivo de diminuir o fluxo de usuários nas farmácias e o retorno deles aos estabelecimentos no período da epidemia.

Veja também: Aqui Tem Farmácia Popular tem prazo ampliado devido ao coronavírus

Fonte: Revista da Farmácia


VER MAIS SOBRE: Coronavírus / Farmácia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação. Ao continuar nesse site você está de acordo com nossa Política de Privacidade.